LANCE!
24/10/2016
11:08
Rio de Janeiro (RJ)

O caso de Jon Jones junto a Comissão Atlética de Nevada está perto de ter uma reviravolta. Segundo o advogado do lutador, a comissão já tem provas de que um produto usado por Jones foi contaminado, o que explicaria o doping ao qual foi flagrado em julho, dias antes do UFC 200.

Em entrevista ao programa The Luke Thomas Show, Howard Jacobs revelou que a equipe de Jones descobriu que um dos produtos usados pelo lutador antes do UFC 200 estava contaminado com a substância banida encontrada no organismo de Jones e que a Usada (Agência Antidoping dos Estados Unidos) já testou e confirmou a contaminação do produto.

- Fomos capazes de estabelecer a origem das substâncias proibidas. Ela veio de um produto que Jon tomou que não foi marcado com qualquer uma destas substâncias. Nós tínhamos testado, o produto estava contaminado com ambos. Eu sei que a Usada também testou de forma independente o produto; seus testes confirmam o que nós encontramos. Nós então enviamos essencialmente os mesmos comprimidos que tínhamos testado para ser testado pelo laboratório da Usada, que também encontrou a mesma coisa. Assim, praticamente toda vez que ele foi testado, é mostrado que o produto está contaminado com ambos: clomifeno e letrozol, as duas substâncias para as quais Jones testou positivo - explicou o advogado.

A audiência de arbitragem Jones está marcada para 31 de outubro e sua equipe espera que a punição seja diminuída para um ano, ou quem sabe receber apenas uma advertência.

- Isso deveria levar a uma redução signiticativa, essa é a nossa posição. A forma como as regras antidoping, pelo menos com o programa UFC, são escritas... Eles espelham o Código AntiDoping Mundial em certa medida. Existem algumas diferenças, mas, essencialmente, em um caso como esse você não pode argumentar que você não tem culpa se você tomar um suplemento ou produto que está contaminado, mas você pode argumentar que você não está significativamente em falta, o que lhe dá a capacidade de argumentar uma sanção reduzida. Assim, a gama de sanções de acordo com as regras do UFC seria entre uma advertência, no mínimo, e, claro, o máximo é de um ano - ponderou o advogado.

Jon Jones estava escalado para enfrentar Daniel Cormier em disputa de cinturão dos meio-pesados no UFC 200, em julho. O atual campeão interino da divisão terá uma nova audiência no dia 31 de outubro para ter seu futuro no esporte definido.