River Plate (URUGUAI)

O River Plate uruguaio é bem menos glamouroso do que o homônimo argentino. Ciontra a LA U, entra como zebraço. Mas trata-se de um time ousado e que pode surpreender (Foto: AFP/Miguel Rojo)

RADAR/LANCE!
01/02/2016
22:10
Rio de Janeiro (RJ)

A excelente campanha no Torneio Clausura uruguaio, quando terminou vice-campeão, fez o pequeno River Plate terminar - na soma dos pontos com o Apertura - com o inédito terceiro lugar geral na tabela de classificação do campeonato nacional. Assim, pela primeira vez este clube com 84 anos de existência, tem a chance de jogar a Libertadores. O problema é que o sorteio não foi dos melhores, pois o adversário será a forte Universidad de Chile. O primeiro jogo será nesta terça-feira, no Uruguai. A volta será no dia 9, em Santiago.

A inesperada classificação para a primeira fase fez a diretoria do River Plate acertar com quatro reforços: Federico Pintos, Matias Jones, Mario Leguizamón e Cesar Taján. Porém, o treinador Juan Ramon Carrasco (de longe o nome internacionalmente mais conhecido do River) deve manter a base de 2015 neste mata-mata apostando no entrosamento. Com isso, o torcedor pode esperar a manutenção do esquema 4-3-3, onde a figura principal é o atacante Michael Santos, que já defendeu a seleção Celeste.

O ponto forte de River é a sua atitude ofensiva. A equipe toca muito bem a bola e busca permanentemente o gol, o que é uma característica de todas as equipes treinadas por Carrasco. O ponto fraco vem a ser o esquema defensivo. Ao jogar sempre para a frente, a defesa acaba desguarnecida. E o River está longe de ter zagueiros de qualidade.

A possível formação contra a LA U será: Nicolas Pérez; Claudio Herrera, Dario Flores, Lucas Ruíz e Gorriarán; Montelongo, Rodríguez e Robert Flores; Rosso, Michael Santos e Schiappacasse