Atlético Nacional 4 x 2 Huracan

Atlético Nacional é o primeiro garantido nas quartas de final da Libertadores (Foto: Divulgação/Twitter)

RADAR/LANCE!
03/05/2016
23:45
Medellin (COL)

Atlético Nacional (COL) e Huracán (ARG) fizeram o segundo jogo do confronto das oitavas de final da Libertadores e após empate sem gols na primeira partida, colombianos contaram com o apoio da torcida que lotou o Estádio Atanasio Girardot e venceram por 4 a 2, eliminando o adversário na noite desta terça-feira. Guerra fez duas vezes, Ibarbo e Copete também marcaram para o time da casa, enquanto Espinoza e Ábila descontaram para os argentinos. Nas quartas, Atlético espera vencedor do duelo entre Grêmio e Rosário Central.

 
O JOGO

Jogando em casa e precisando marcar para se classificar para a próxima fase, o time do Atlético Nacional foi para o ataque desde os primeiros minutos de partida e logo aos oito, quase marcou. Bocanegra cobrou falta com categoria, mas bola explodiu no travessão do adversário. Após tanto pressionar, os donos da casa conseguiram estufar as redes com o atacante Ibarbo, de pênalti. 


Sem dar tempo para o adversário comemorar, o Huracán conseguiu empatar no lance seguinte, com Espinoza, de pé esquerdo. Gol esse, que foi o primeiro sofrido pelo Atlético Nacional na Libertadores 2016. Antes do intervalo, os colombianos quase desempataram após ótima jogada de Ibarguen, que deixou dois no chão, Guerra tentou a finalização e mandou por cima do gol.

O segundo tempo foi eletrizante desde os primeiros instantes de bola rolando. Logo aos seis minutos, os argentinos ficaram com um a menos. Mancinelli foi expulso após choque com Moreno. Empurrado pelos torcedores, o Atlético Nacional foi para cima e conseguiu fazer o segundo com Alejandro Guerra. Pouco tempo depois, novamente Guerra estufou as redes e deu tranquilidade para o time da Colômbia.

Precisando do empate para continuar na competição, o Huracán se mandou para o ataque mesmo com um jogador a menos e conseguiu diminuir com um lindo gol de Ábila, de voleio. Time argentino continuou na pressão até o fim, teve boas chances com Bogado e Ábila, mas viu adversário segurar bem a bola e num contra-ataque rápido, matar o jogo com Copete, já nos acréscimos.