Iraniana Zahra Nemati

A iraniana Zahra Nemati, do tiro com arco (Foto: Divulgação/Paralympic.org)

LANCE!
28/08/2016
10:10
Rio de Janeiro

Um grupo privilegiado formado por apenas três atletas viverá as emoções dos Jogos Rio-2016 em dose dupla. Depois de participarem dos Jogos Olímpicos, a polonesa Natalia Partyka e australiana Melissa Tapper, ambas do tênis de mesa, e a iraniana Zahra Nemati, do tiro com arco, voltam à cidade para defender seus países nos Jogos Paralímpicos.

Depois de mostrarem o alto nível de excelência dos atletas Paralímpicos, capazes de competir em igualdade de condições com os Olímpicos, Partyka, Tapper e Nemati lutarão por medalhas a partir da próxima semana no Rio de Janeiro. A campeã Natalia Partyka, que nasceu sem a mão e parte do antebraço direito, fez história logo em sua primeira participação Paralímpica, em Sydney-2000, quando tornou-se a atleta mais jovem a participar do evento, aos 11 anos de idade. Ganhou o ouro individual nos Jogos Paralímpicos em Atenas-2004, Pequim-2008 e Londres-2012.

Na capital chinesa, disputou os Jogos Olímpicos pela primeira vez, fazendo parte da equipe polonesa. Em Londres 2012, disputou os torneios individual e por equipes dos torneios Olímpico e Paralímpico. Depois de representar a Polônia no torneio por equipes dos Jogos Olímpicos Rio-2016, luta pelo tetracampeonato nos Jogos Paralímpicos.

Porta-bandeira
A arqueira Zahra Nemati não só competiu nos Jogos Olímpicos como foi escolhida para ser a porta-bandeira do Irã na cerimônia de abertura do Rio-2016. Uma honraria justa para a primeira atleta mulher a ganhar um ouro nos Jogos Olímpicos ou Paralímpicos. Cadeirante após sofrer um acidente de carro aos 18 anos, quando era atleta de taekwondo, Zahra, de 31 anos, foi campeã dos Jogos Paralímpicos em Londres-2012.

A estreante Melissa Tapper é a primeira atleta australiana a disputar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. A mesatenista de 26 anos competiu no torneio Paralímipico pela primeira vez em Londres-2012, quando ficou em quarto lugar. Tapper, que nasceu com a Paralisia de Erb, causada por uma lesão nos nervos superiores do braço, competiu nos torneios individual e por equipes dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e agora busca sua primeira medalha Paralímpica.