A secretária especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência do MJC, Rosinha da Adefal

A secretária especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Rosinha da Adefal (Foto: Isaac Amorim/Ministério da Justiça)

LANCE!
28/09/2016
10:15
Rio de Janeiro

Mais de quatro mil atletas com deficiência de 160 países disputaram os Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro e o resultado foi um sucesso de público, que lotou as instalações para assistir aos atletas. Para Rosinha da Adefal, secretária especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência, o principal legado do evento não será somente a construção de espaços com acessibilidade, mas uma mudança cultural da sociedade brasileira, que passará a compreender melhor a importância da promoção dos direitos da pessoa com deficiência.

- O verdadeiro legado que a Paralimpíada vai deixar é uma mudança cultural no País. Os Jogos têm de trazer uma mudança de atitude em relação à pessoa com deficiência. É preciso respeitar as diferenças e promover a igualdade para que possamos garantir a plena participação das pessoas com deficiência na sociedade - disse.

A secretária defende também o esporte como instrumento fundamental para inclusão social dessa parcela da população.

- O esporte é o melhor caminho para acontecer a inclusão. Se hoje estou aqui, trabalhando para a construção de políticas para a pessoa com deficiência, é porque um dia tive a oportunidade de ser atleta - afirmou Rosinha ao lembrar do período em que participou de competições de natação para pessoas com deficiência.

A delegação brasileira na Paralimpíada do Rio-2016 foi a maior da história, com 289 atletas em 23 modalidades.