Clodoaldo Silva - Silva Paralímpica

Clodoaldo Silva acendeu a pira paralímpica na festa de abertura (YASUYOSHI CHIBA/AFP)

LANCE!
08/09/2016
11:06
Rio de Janeiro

O esporte paralímpico brasileiro se divide entre antes e depois de Clodoaldo Silva. Tudo por conta das seis medalhas de ouro conquistadas por ele em Atenas 2004 e que mudaram a forma de o país ver os atletas. O incrível desempenho do nadador potiguar na época chamou a atenção do país para os atletas com deficiência e impulsionou o Brasil, que chegou ao sétimo lugar no quadro de medalhas em Londres 2012. Doze anos depois, o “Tubarão Paralímpico” está pronto para cair na piscina novamente, desta vez no Estádio Aquático Olímpico, dentro de seu país, naquela que deverá ser a despedida dele das competições.

Aos 37 anos, Clodoaldo sabe que sucessivas idas ao pódio na capital grega motivaram muitos jovens com deficiência a praticarem esportes. Alguns deles, inclusive, estão ao seu lado em sua quarta participação nos Jogos, integrando a equipe brasileira. O melhor exemplo é Daniel Dias, dono dez ouros na natação, que sempre apontou Clodoaldo como sua maior inspiração.

- Nunca pensei em ser inspiração para ninguém, mas conforme fui ganhando as medalhas virei um exemplo para os para-atletas mais jovens e fico feliz em saber que fui importante para o início da carreira deles. Sempre quis mostrar a todos que como atleta de alto rendimento você deve ser um exemplo dentro e fora das piscinas - comentou o brincalhão nadador, que também ganhou cinco pratas e dois bronzes nos Jogos, em entrevista ao site do Comitê Rio 2016.

Clodoaldo, que acendeu a pira paralímpica na festa de abertura, na última quarta-feira, competirá em três provas nos Jogos Rio 2016. O potiguar vai à piscina no revezamento 4x50m livre 20 pontos, nesta sexta-feira, nos 50m estilo livre da classe S5 no dia 12, e nos 100m livre da mesma classe no dia 17. Independentemente dos resultados, o Tubarão quer aproveitar a oportunidade única de competir nos Jogos Paralímpicos em casa.

- É algo incrível e uma oportunidade de mostrar ao mundo porque o Brasil é um lugar tão incrível. Vai trazer um grande legado ao Brasil, não só no aspecto esportivo, mas também no lado social e educacional. Vai ser especial competir em casa e isso nos motiva muito - conta.

A energia dos Jogos Rio 2016 faz Clodoaldo até pensar em prolongar sua carreira um pouco mais. O potiguar, que cogitou se aposentar após Londres 2012 e chegou a dizer que deixaria as piscinas após os Jogos do Rio, já não dá mais nenhuma certeza sobre seu futuro.

- Eu pensei em me aposentar após Londres e estou pensando nisso agora novamente, mas cada edição dos Jogos me mostra que ainda tenho disposição para seguir. A natação me deu tudo e me sinto como um traidor ao deixar as piscinas. A maioria dos atletas se aposenta quando não consegue mais ter bons resultados, mas estou muito bem preparado e vou lutar por medalhas nas duas provas. Competir em casa é uma grande responsabilidade e estrou pronto para dar tudo que tenho - comentou.