Além de uma operação especial no aeroporto, haverá um sistema de check-in remoto na Vila dos Atletas

Atletas cadeirantes encontraram facilidade no embarque no Galeão (Foto: Miriam Jeske/Brasil2016.gov.br)

LANCE!
21/09/2016
12:49
Rio de Janeiro

O Ministério do Esporte divulgou nesta quarta-feira o balanço final da saída dos atletas que disputaram os Jogos Paralímpicos Rio 2016. Em um único dia, o Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro recebeu aproximadamente 62 mil passageiros, sendo mais de 4.500 integrantes da Família Paralímpica e cerca de 830 atletas cadeirantes. Este número representa um volume até 13 vezes maior do que o usual. Para garantir que a comodidade ao atleta com deficiência fosse completa, a operação começou a ser estudada e planejada em 2011.

Com o fim dos Jogos, o aeroporto mais parecia palco de uma grande festa de confraternização universal na última segunda-feira. A estratégia especial de despedida e agradecimento do Galeão às centenas de delegações que passaram por lá durante todo o dia ocorreu em forma de música, com a apresentação de diversas bandas e artistas, exibição de filmes ao longo do dia, exposições interativas e outras intervenções culturais.

- Nós reunimos através da Conaer (Comissão Nacional de autoridades aeroportuárias) esforços de todos os órgãos públicos que têm atividades nos aeroportos. O planejamento contemplou todos os grandes eventos até aqui, que foram Copa do Mundo, Jogos Olímpicos e Jogos Paralímpicos. E o nosso maior desafio foi a operação nas Paralimpíadas, por conta da quantidade de equipamentos, cadeiras de rodas e fluxo geral. Para que desse tudo certo, nós fizemos diversos simulados de acessibilidade nos principais aeroportos do Brasil - afirmou o diretor de gestão aeroportuária da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Paulo Henrique Possas.

Do lado de fora do aeroporto, rampas de acesso foram montadas estrategicamente no mesmo nível das portas dos ônibus para facilitar o desembarque dos cadeirantes.

- Foi tudo muito acessível, desde a Vila dos Atletas até a chegada ao aeroporto. Espero que continue assim sempre. As rampas facilitam muito a nossa locomoção e vi rampas em todos os lugares. Os brasileiros foram muito amáveis - disse o atleta mexicano da bocha adaptada Damian Oseguera, que veio ao Brasil para sua primeira participação paralímpica.

Conterrânea dele, Liz Lopez, do atletismo em cadeira de rodas, também fez sua estreia em Paralimpíada.

- Todo o cuidado com os atletas foi incrível. Não tive nenhum problema durante a estadia. Os voluntários foram gentis desde o início até o no nosso embarque aqui no aeroporto. Volto para casa com a impressão mais colorida possível das Paralimpíadas - relatou a mexicana de 25 anos.

As companhias aéreas também criaram um esquema especial de atendimento e abriram o check-in cinco horas antes dos voos para que o embarque fosse tranquilo e diluído ao longo do dia. Além disso, assim como nas Olimpíadas, foi montado uma operação na Vila dos Atletas para oferecer a opção de check-in antecipado e despacho remoto de bagagens. Essa logística facilitou consideravelmente a circulação das equipes pelos saguões.

- Todos os aeroportos passaram por vistoria inicial da Casa Civil e da própria SAC, onde foram apontadas todas as providências que deveriam ser tomadas dentro de um prazo, como o alinhamento de rampas, banheiros adequados, piso tátil, entre outros. O nosso grande objetivo agora é que essas adequações sirvam como legado para todos os aeroportos do Brasil - disse Possas.