Libertadores 2006 - Internacional

  'Glória do desporto nacional, oh, Internacional...' Fernandão ergue a taça da Libertadores (Foto: Divulgação/Inter)

LANCE!
16/08/2016
07:50
Porto Alegre (RS)

Não há um único colorado que não tenha celebrado na noite do dia 16 de agosto de 2006. Noite inesquecível. Noite memorável. Noite que ficou para a história. Noite em que foi escrito o capítulo mais grandioso da história do Internacional, então com 97 anos de muita história. A busca pela tão sonhada conquista da Copa Libertadores terminaria naquela noite, no sagrado solo do Beira-Rio e exatamente às 23h53, quado o argentino Horacio Elizondo apitou pela última vez. Espera encerrada diante do São Paulo, time que era o atual campeão da Libertadores. Diante do então campeão do mundo. Não poderia ter sido outro rival. O Internacional de Tinga, Sobis, Fernandão & Cia. alcançou o topo naquele 16 de agosto de 2006. Data que completa exatos dez anos nesta terça-feira. Data em que a América ficou vermelha pela primeira vez.

O LANCE! trará, ao longo do dia, matérias com personagens da conquista, um especial sobre o eterno capitão Fernandão e como foi a cobertura do L! no duelo decisivo. Acompanhe e relembre do feito alcançado pelo Colorado.

                VICE-CAMPEONATO BRASILEIRO E VOLTA À LIBERTADORES

O desejo em conquistar a América não era novidade no Internacional. O eterno rival Grêmio se vangloriava de ter levado duas, algo que, naturalmente, incomodava o torcedor colorado. E o Inter já havia experimentado a frustração de ter ficado no quase, quando, então campeão brasileiro, foi superado pelo Nacional uruguaio na decisão de 1980. Conquistar o primeiro título sul-americano era uma obsessão. Obsessão que terminaria há exatos dez anos.

O Inter disputaria a Libertadores de 2006 findando um hiato que durava desde a última aparição no torneio, em 1993, fruto do título da Copa do Brasil de um ano antes. A vaga na edição que viria a ser histórica veio graças ao vice-campeonato brasileiro de 2005. Através da competição que ficou lembrada pela "Máfia do Apito". Sem Muricy Ramalho, que acertaria com o São Paulo, o Inter buscou Abel Braga. O Abel que havia sido vice-campeão brasileiro comandando o próprio Inter no Brasileirão de 1988. Abel que foi mantido no cargo mesmo após o vice do Gauchão de 2006. Abel que escreveria seu nome na história colorada naquele mítico ano.

Internacional - Fernandão erguendo troféu Libertadores 2006
      Capitão Fernandão ergue a taça (Foto: Divulgação/Internacional)

                          INTERNACIONAL INVICTO NA FASE DE GRUPOS

Coube ao Inter ser integrante do Grupo 6 daquela Libertadores, assim como Maracaibo, da Venezuela, o mexicano Pumas e o carrasco de 80, o Nacional. E o Colorado fez bonito. Foram 14 pontos e a liderança da chave graças a quatro vitórias e dois empates. Segunda melhor campanha da fase de grupos e, com isso, o direito de decidir no mata-mata sendo mandante. Vantagem de decidir no Beira-Rio. E com a eliminação do Vélez Sársfield, o time de melhor campanha, nas quartas de final, o Colorado levaria tal vantagem até a decisão. Foi exatamente o que aconteceu.

                   RIVAL CONHECIDO E CONFIANÇA APÓS SUPERAR A LDU

Dono da segunda melhor campanha na fase de grupos, o Inter enfrentou o time que se classificou em segunda lugar na sua chave com a segunda pior campanha entre tais times. Quis o destino que o adversário fosse o já conhecido Nacional. Vitória no Uruguai por 2 a 1 e vaga nas quartas de final após um 0 a 0 no Beira-Rio. Veio as quartas de final. Vieram os duelos contra a LDU. LDU que estava destinada a fazer história contra um time brasileiro em Libertadores, mas não naquele ano. O Colorado conheceu a sua primeira e única derrota na competição na altitude de Quito. Mas o 2 a 1 no Equador foi superado com um 2 a 0 em Porto Alegre e classificação à semifinal.

Para o ex-volante Tinga, um dos jogadores fundamentais para o título colorado, o jogo de volta das quartas de final contra a LDU, que ocorreu após a paralisação da competição para a disputa da Copa do Mundo da Alemanha, foi decisivo para o elenco colorado acreditar que o título era, de fato, possível.

– A virada que conseguimos sobre o Pumas (por 3 a 2, após a equipe estar perdendo por 2 a 0 no Beira-Rio) na primeira fase foi muito importante para a gente engrenar na sequência da competição. Agora, o jogo do LDU foi quando nos sentimos mais fortalecidos: ficamos treinando por muito tempo só para este jogo, e foi muito concentrado. Isto ajudou muito para a gente ir bem – disse o ídolo colorado, ao LANCE!.

O Internacional chegaria à decisão da Libertadores após superar o Libertad, do Paraguai. Igualdade sem gols fora de casa e triunfo por 2 a 0 no Beira-Rio, com gols de Alex e Fernandão diante de 50.548 presentes. A final, contra o então campeão São Paulo, reservaria duelos contra um rival visto como favorito.

                       A DECISÃO CONTRA O ATUAL CAMPEÃO SÃO PAULO

Internacional comemora o título da Libertadores sobre o São Paulo, em 2006 (Foto: Paulo Whitaker/Reuters)
Fernandão celebra o gol que inaugurou o placar no segundo e decisivo jogo da decisão contra o São Paulo (Foto: Paulo Whitaker/Reuters)

O jogo da ida, no Morumbi, terminou em festa colorada. Rafael Sobis fez Inter 2 a 0, com Edcarlos marcando para o São Paulo e decretando o 2 a 1 em solo paulista. Vantagem do empate para o Colorado. Vantagem que faria toda a diferença.

O Imortal Fernandão fez Inter 1 a 0 naquele 16 de agosto de 2006. Fabão deixou tudo igual, mas Tinga, que seria expulso logo depois, fez 2 a 1. Lenílson garantiria certa esperança ao Tricolor ao empatar novamente, mas não havia mais tempo para nada. A América era vermelha. O Internacional era campeão da Libertadores.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 2 X 2 SÃO PAULO


Local: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
Data: 16/8/2006
Árbitro: Horacio Elizondo (Fifa-ARG)
Auxiliares: Rodolfo Otero (Fifa-ARG) e Dario García (Fifa-ARG)
Público/Renda: 57.554 (8.656 pagantes e 43.915 sócios)/R$ 719.365,00
Cartões amarelos: Edinho, Tinga, Jorge Wagner, Fernandão, Alex e Bolíviar (INT); Aloísio (SPA)
Cartão vermelho: Tinga (INT)

Gols: Fernandão, 29'/1ºT(1-0); Fabão, 5'/2ºT(1-1), Tinga, 20'/2ºT(2-1) e Lenílson, 39'/2ºT(2-2)

INTERNACIONAL: Clemer; Índio, Bolívar e Fabiano Eller; Ceará, Edinho, Tinga, Alex (Michel, 33'/2ºT) e Jorge Wagner; Rafael Sobis (Ediglê, 37'/2ºT) e Fernandão – Técnico: Abel Braga

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Fabão, Lugano e Edcarlos (Alex Dias, 25'/2ºT); Souza, Mineiro, Richarlyson (Tiago, 13'/2ºT), Danilo (Lenílson, 13'/2ºT) e Júnior; Leandro e Aloísio – Técnico: Muricy Ramalho.

                     A CAMPANHA COLORADA NA LIBERTADORES DE 2006

FASE DE GRUPOS


16/2 – Maracaibo (VEN) 1 x 1 Internacional – Estádio José Pachencho Romero
13/2 – Internacional 3 x 0 Nacional (URU) – Beira-Rio
8/3 – Pumas (MEX) 1 x 2 Internacional – Estádio Universitário
22/3 – Internacional 3 x 2 Pumas (MEX) – Beira-Rio
4/4 – Nacional (URU) 0 x 0 Internacional – Estádio Parque Central
18/4 – Internacional 4 x 0 Maracaibo (VEN) – Beira-Rio

OITAVAS DE FINAL

27/4 – Nacional (URU) 1 x 2 Internacional – Estádio Parque Central
3/5 – Internacional 0 x 0 Nacional (URU) – Beira-Rio

QUARTAS DE FINAL

10/5 – LDU (EQU) 2 x 1 Intenacional – Estádio La Casa Blanca
19/7 – Internacional 2 x 0 LDU (EQU) – Beira-Rio

SEMIFINAL

27/7 – Libertad (PAR) 0 x 0 Internacional – Defensores Del Chaco
3/8 – Internacional 2 x 0 Libertad (PAR) – Beira-Rio

FINAL

9/8 – São Paulo 1 x 2 Internacional – Morumbi
16/8 – Internacional 2 x 2 São Paulo – Beira-Rio

A CAMPANHA COLORADA EM NÚMEROS

14 Jogos
8 vitórias
5 empates
1 derrota
24 gols pró
10 gols contra

PRINCIPAIS ARTILHEIROS

Fernandão – 5 gols
Rentería – 4 gols
Rafael Sobis e Michael – 3 gols