Apresentação do Falcão no Internacional

Falcão chegou nesta quarta ao Internacional (Foto: Divulgação)

RADAR/LANCE!
13/07/2016
15:30
Porto Alegre(RS)

Por volta das 14h15 da tarde desta quarta-feira, a diretoria colorada apresentou o ídolo Paulo Roberto Falcão como o novo treinador do Internacional.  Esta será a terceira passagem dele pelo clube. 

O novo treinador colorado recebeu uma camisa 5, número que eternizou nos corações dos torcedores, do vice de futebol Carlos Pellegrini. Logo após receber o presente da diretoria, Falcão concedeu a sua primeira entrevista coletiva e pediu que a torcida abrace o time e o apoie incondicionalmente.  

- Quero que o torcedor esteja do nosso lado e nos agarre no colo pois é um time novo e requer carinho.  O torcedor tem que entender esse momento. 

Falcão também destacou que está muito feliz em retornar ao clube e mostrou-se ciente do tamanho do desafio de assumir um clube onde possui tamanha idolatria. 

 - Estou feliz de estar aqui, trabalhei duas vezes como treinador e jogador. Tenho noção do tamanho do desafio. As coisas nunca foram fáceis e sempre tive de provar a cada momento e por isso não será nada de diferente. O primeiro momento é conhecer as características dos jogadores, mostrar que eles que podem dar mais e colaborar com eles para alcançar os rumos que o Inter tem de alcançar. Volto para casa num time que me criei e é um bom momento para começar o trabalho.

Ele também dissertou sobre a cara que quer imprimir ao Internacional, enfatizando que o trabalho do antecessor Argel Fucks não pode ser jogado no lixo e sim aperfeiçoado. Mas, também, garantiu, que o time apresentará muitas novidades na forma de jogar. Entre elas, o fim do "chutão".

- Temos de mostrar resultado. Mas acho que o desafio é não confundir velocidade com a pressa. Temos de conversar e sei que as coisas tem de ser modificadas. Argel deixou coisas boas que vamos manter. Terá mudanças dentro do prazo que se tem, mas isso não significa que tudo foi errado...Gosto do time que sabe jogar , que tenha condição de compactar bem, tenha marcação. O chutão é uma ilusão de 10 segundos porque a bola volta. Mas tem que tentar dar a confiança. Para não dar o chutão, tem que ter aproximação. O desafio é colocar isso em pauta. 

O novo comandante também falou  como é ter que aterrissar em Porto Alegre com a missão de ser um "apagador de incêndio". 

- Cheguei no Sport que vinha de sete empates em cinco derrotas em 13 jogos. Fizemos  um trabalho de pronto socorro lá. Vou buscar  valorizar os jogadores e dizer que ninguém joga no inter se não tiver qualidade. Esse é o desafio, recuperar jogadores.  

Ao ser questionado sobre reforços, Falcão preferiu desconversar e bater na tecla de que o mais importante no momento é conhecer o elenco que terá em mãos. Assim, após um tempo, terá a resposta definitiva sobre a necessidade ou não de trazer jogadores para agregar ao elenco. 

 -Vi jogos pela TV, mas o convívio é que vai me dizer disso, me nutrir das maiores informações.

Falcão tem 62 anos e jogou no Internacional na década de 70, quando conquistou os três campeonatos Brasileiros do clube: 76,77 e 79. Também conquistou cinco estaduais, sendo quatro deles consecutivos: 73, 74, 75 e 76. O outro foi em 1978.  

No início da década seguinte, transferiu-se para o Roma, onde não só fez história como também recebeu o apelido de "Rei de Roma."Ficou cinco anos na Itália e depois voltou para o Brasil, onde encerrou a carreira no São Paulo, em 1986.  

Pela Seleção Brasileira, disputou as Copas do Mundo de 1982 e 1986.