Leandro

Leandro tentou "apelar" para a reza, mas não foi suficiente para o título. (Giuliano Gomes/PR PRESS)

Guilherme Moreira
08/05/2016
18:58
Curitiba (PR)

Com uma missão complicada, o Coritiba não conseguiu reverter a vantagem do jogo de ida e perdeu novamente para o Atlético-PR neste domingo, no Couto Pereira, pela finalíssima do Campeonato Paranaense. O objetivo agora é focar no Campeonato Brasileiro.

Apesar da pressão nos 20 minutos iniciais, o Verdão não conseguiu converter as chances criadas em gol. O time coxa-branca criou quatro oportunidades, sendo duas claras e dentro da área - uma sem goleiro.

O Furacão, após suportar e manter o placar zerado, se organizou e encaixou a marcação. Ao natural, a equipe rubro-negra encontrou espaços na zaga alviverde e marcou os dois gols da vitória ainda no primeiro tempo.

- Podíamos ter feito o resultado nos 20 minutos. Criamos chances, tivemos que arriscar, nos abrimos e não podíamos errar. Numa final não pode errar tanto e a gente, infelizmente, errou - lamentou Kleber Gladiador. 

Ao final da partida, o volante Alan Santos lamentou mais um revés e agradeceu o apoio da torcida. Além disso, o jogador comentou que, diferente dos últimos anos, o Coxa precisa brigar por mais coisas na Série A. Desde 2012, a equipe luta contra o rebaixamento.

- É triste. O objetivo que traçamos não conseguimos. Lamentamos muito, agora é pensar no Brasileiro. É ruim começar o ano perdendo uma decisão. Tentamos até o fim e a torcida viu, reconheceu. Esse ano temos que parar de brigar para não cair - pediu, em entrevista à RPC.

O meio-campista, inclusive, citou o Leicester como exemplo. O clube, com recursos bem menores que os grandes da Inglaterra, sagrou-se campeão da Premiere League no início da semana.

- Essa torcida me emocionou muito e agora daqui para frente vamos pegar o exemplo do Leiscester. Eles estavam brigando para cair ano passado, a mesma coisa que a gente - completou.

Na coletiva pré-Atletiba, o técnico Gilson Kleina admitiu que o elenco tem carências e que é preciso se forçar para a sequência da temporada. O comandante, que não teme ser demitido pelo vice-campeonato, falou que as peças serão pontuais.

- Eu entendo que, sendo ou não campeão, precisamos trazer reforços e buscar valores técnicos. Temos um calendário grande, com campeonatos equilibrados, e sabemos que temos que ter reposições para ter mais segurança. Não vai ter contratação só por contratar - finalizou.

No Brasileiro, o Coritiba estreia dia 14 de maio, diante do Cruzeiro, no Estádio Couto Pereira.