Atacante Getterson é alvo de polêmica no Estadual

Atacante Getterson foi alvo de polêmica no Estadual (Foto: Divulgação/ J. Malucelli)

Guilherme Moreira
06/04/2017
15:59
Curitiba (PR)

O J. Malucelli foi punido pela irregularidade na escalação do atacante Getterson em rês partidas do Campeonato Paranaense. A decisão unânime do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro, foi de rebaixar a equipe e colocar o Rio Branco nas quartas de final.

O Jotinha acabou condenado pelo artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que diz: “incluir na equipe, ou fazer constar na súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida, prova ou equivalente” - o atleta só apareceu no Boletim Informativo Diário (BID) após a terceira rodada. Com isso, o time perdeu 16 pontos e termina a competição como penúltimo. O Toledo, então 11º colocado, se mantém na elite.

- O próprio RGC da CBF deixa claro o sistema de transferências dos atletas. Infelizmente a irregularidade é flagrante - afirmou o relator Paulo Salomão, acompanhado no voto pelos quatro auditores.

Além da punição ao J. Malucelli, o STJD definiu a entrada do Rio Branco, 9º colocado e agora entrando como quarto e não oitavo, para a fase mata-mata. O adversário será o Londrina, na quinta posição, que havia perdido o jogo de ida para o Jotinha, então na quarta posição, por 3 a 1. Os demais resultados e chaveamento seguem o mesmo. A Federação Paranaense de Futebol (FPF), agora, precisa homologar o confronto entre Rio Branco e Londrina.

Confusão

A decisão do STJD pode trazer mais problemas no futuro. Como decidiu chavear o oitavo colocado da classificação diante do quinto, mas o colocando na quarta posição, os clubes podem questionar a definição.

O Paraná, líder da primeira fase, deveria jogar diante do Rio Branco nesse novo chaveamento. Entretanto, o Tricolor está disputando o clássico contra o Atlético-PR, agora sétimo, que teria que jogar com o Coritiba, vice-líder.

A simples substituição no confronto, sem a ordem correta da classificação geral da primeira fase, abre uma clara brecha caso alguma equipe se considere prejudicada após os jogos das quartas de final do Estadual. O recurso, entretanto, precisa ser feito antes das partidas acontecerem para ter validade, mesmo que os jogos aconteçam até o julgamento.