Goiás x Paraná

Sem vibração, Paraná foi alvo fácil e levou quatro gols no primeiro tempo no Serra Dourada. (Rosiron Rodrigues/Goiás E.C)

Guilherme Moreira
30/09/2016
00:57
Curitiba (PR)

O discurso ilusório de lutar pelo acesso acabou de vez. Após a goleada por 4 a 0 para o Goiás nesta quinta-feira, no Serra Dourada, pela vigésima oitava rodada da Série B, o Paraná finalmente admitiu que a luta é não cair de divisão.

O time paranaense levou quatro gols ainda no primeiro tempo e não conseguiu sequer fazer o tento de desconto. Estreante, o técnico Roberto Fernandes ainda não sabia muito o que fazer e pediu ajuda do auxiliar-técnico Fernando Miguel durante toda a partida. Em vão.

- Dois dias de trabalho ainda não foi o suficiente e precisamos mudar a filosofia. Com muita insatisfação e angústia que falo: o acesso não tem condição. Não estamos preparados para o acesso e tinha uma esperança antes desse jogo - afirmou. 

Com 33 pontos e na décima quinta colocação, a seis do Bragantino, o primeiro dentro da zona de rebaixamento, o Tricolor resolveu ligar o sinal de alerta após o quarto revés consecutivo. O comandante paranista viu uma equipe frágil e sem garra dentro de campo, não tendo a real noção do problema na tabela.

- Precisamos de uma mega união e ter o esforço de todos para mudar essa postura. Quem está lá embaixo já está com esse espírito. A gente não pode em uma reta final de competição ser tão apático. Não temos o espírito da Série B que nem o Goiás teve no lance do Karanga em que todo mundo se jogou para evitar o gol - completou o treinador, citando o lance nos minutos finais do segundo tempo, quando a zaga salvou o gol paranista em cima da linha.

Dos próximos quatro jogos, três são fora de casa já que o duelo diante do Vasco, que seria na Vila Capanema, foi vendido para Cariacica-ES. Uma sequência que pode complicar ainda mais o cenário atual. Na próxima terça-feira, o Paraná enfrenta a Luverdense, em Lucas do Rio Verde-MT.

- Infelizmente, o próximo jogo é uma viagem longa e não vamos ter tempo para treinar. Vamos conversar bastante e avaliar bem os jogadores à disposição. Temos uma briga contra o descenso e precisamos encarar esse espírito nas últimas 10 rodadas - cobrou Fernandes.