Brasil-RS x Paraná

Tricolor propôs o jogo mesmo com 10 em campo, mas foi derrotado no RS. (Divulgação/Rádio Transamérica)

Guilherme Moreira
14/05/2016
19:25
Curitiba (PR)

No revés do Paraná por 2 a 0 para o Brasil neste sábado, no Estádio Bento Freitas, pela primeira rodada da Série B, dois momentos podem justificar o resultado negativo. A falha do goleiro Marcos e, principalmente, a expulsão do lateral-esquerdo Rafael Carioca.

Já aos 5 minutos da primeira etapa, o arqueiro paranista saiu mal em cobrança de escanteio e Felipe Garcia, de cabeça, aproveitou para abrir o placar em Pelotas. Com o gol no início, o Tricolor teve dificuldades para se achar em campo.

- Infelizmente não conseguimos. Tive uma infelicidade que atrapalhou a equipe, assumo a responsabilidade e peço desculpas pelo erro. É levantar a cabeça e ter calma, porque é início ainda - comentou Marcos, camisa 1 e capitão.

Para piorar, aos 37 minutos do primeiro tempo, o ala Rafael Carioca tinha a posse de bola e, ao tentar proteger, deu uma cotovelada no adversário. Mesmo sem ter cartão amarelo, o jogador foi expulso corretamente para arbitragem. 

- Complicou um pouco, um a menos e fora de casa, tendo que reverter o resultado que já estava a favor deles. Batalhamos, mas é manter o foco e ainda tem muitas rodadas pela frente - analisou Diego Tavares, o único destaque na partida do lado paranaense.

Na segunda etapa, Felipe Garcia ainda ampliou aos 33 e desanimou a equipe, que tentava buscar a igualdade. O técnico Claudinei Oliveira, após o duelo, afirmou que conversou com o atleta expulso e lamentou atuar com a menos. Na visão do comandante tricolor, o time poderia ter melhor sorte se tivesse
com o mesmo número em campo.

- Levamos gol que não costumar levar, de bola parada. E jogar com um a menos por 60 minutos fica muito difícil. Ainda tentamos propôr o jogo, levamos o segundo logo depois de ter uma boa chance e complicou de vez. Se fosse 11 contra 11, acho que poderíamos reverter - apostou.

O treinador paranista ainda comentou que o Paraná tem que tomar mais cuidado com os cartões. No meio da semana, Jean foi expulso contra a Chapecoense, pela Copa do Brasil, também na primeira etapa. Na ocasião, entretanto, a equipe conseguiu virar o placar.

- A expulsão foi justa, não tem o que falar. Mas também não dá para crucificar ele, já conversei e todos temos direitos de errar. Agora é trabalhar para não termos mais isso, de ficar com um a menos nos jogos. Na Série B é complicado - finalizou.

O Tricolor volta a campo pelo Campeonato Brasileiro no próximo sábado, às 16h30, na Vila Capanema, diante do Bahia. Na quarta-feira, em Chapecó, encara o time da casa pelo segundo jogo da volta do torneio mata-mata nacional.