Felipe Alves

Alves chegou ao CT do Caju no início de fevereiro e é o terceiro goleiro do time principal. (Fabio Wosniak/Atlético-PR)

Guilherme Moreira
17/04/2018
16:12
Curitiba (PR)

Atualmente no Atlético-PR, o goleiro Felipe Alves, 29 anos, ganhou uma ação de aproximadamente R$ 130 mil do Paraná. Na última semana, a Justiça julgou e deu a sentença definitiva do processo movido pelo atleta.

Contratado em julho de 2015, sob indicação de Fernando Diniz, que também está no Furacão, o jogador tinha salário de R$ 1,5 mil na carteira de trabalho e R$ 13,5 mil de direito de imagem. O Tricolor, nos cinco meses de contrato, depositou somente os valores referentes ao vencimento salarial.

Além de não ter pago nenhum mês de direito de imagem, a direção paranista não depositou o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) mensal e não realizou o pagamento das verbas rescisórias, além do 13° salário e férias. A defesa do arqueiro entrou com processo em 2017 cobrando esses valores, com base nos artigos 467 e 477 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), e dano moral pelos atrasos salariais. A quantia foi calculada com a base salarial de R$ 15 mil, juntando o salário e o direito de imagem.

Na primeira audiência, em julho do ano passado, o clube não ofereceu proposta e não teve acordo. Já na semana passada, a Justiça reconheceu o direito de imagem como salário e condenou o clube ao pagamento de R$ 130 mil, já corrigidos. Com a camisa do Paraná, Felipe Alves realizou dez partidas.

Procurados, os advogados Filipe Rino e Thiago Rino não quiseram comentar sobre o assunto. O Paraná também não se manifesta por assuntos jurídicos. A reportagem apurou que o valor da ação já entrará no Ato Trabalhista, firmado pelo Tricolor nesse ano, que consiste em reter 20% de toda arrecadação que entra no clube para pagamento de dívidas trabalhistas.