Weverton

Convocado, o goleiro voltará a desfalcar o Atlético-PR contra o Botafogo e Figueirense pela Série A. (Foto: VANDERLEI ALMEIDA / AFP)

Daniel Piva
23/08/2016
14:47
Curitiba (PR)

A euforia tomou conta do goleiro Weverton, que admitiu que em alguns momentos acha que está vivendo um sonho. E não é para menos. Os últimos 25 dias dele foram intensos. Convocado às pressas para defender o Brasil nos Jogos Olímpicos, o atleta se apresentou ao grupo na segunda-feira e na quinta já estava em campo contra a África do Sul.

Após algumas críticas, o jogador terminou a competição com a medalha de ouro e com o status de herói. Para coroar tudo isso, o arqueiro do Atlético-PR foi convocado pelo técnico Tite para defender a Seleção Brasileira principal nas Eliminatórias na segunda-feira.

- Agora eu quero mais. Tenho dois anos aí e o meu sonho agora é a Copa do Mundo. Já falei para a minha mãe cuidar do coração, porque ela vai ter que ir junto - brincou Weverton. 

E, ao que tudo indica, o goleiro do Furacão está com moral com o técnico Tite que, na coletiva da convocação, elogiou bastante o jogador. O arqueiro rubro-negro já era monitorado e o treinador deu o aval final para ter a primeira chance na principal.

- O primeiro filtro é uma atividade específica do Taffarel, que faz a busca de atletas. Depois vem a definição minha, com a palavra final. E em contato com todos os profissionais que trabalharam com o Weverton elogiaram o atleta e a pessoa. Acrescido a isso veio a participação dele nas Olimpíadas - revelou Tite.

Durante a comemoração da inédita conquista do Brasil nas Olimpíadas e de ter sido lembrado pelo técnico da Seleção Brasileira principal, Weverton recebeu uma inesperada ligação do meio-campista Kléberson. Em 2002, quando atuava no Atlético-PR, o volante foi convocado surpreendentemente por Luiz Felipe Scolari e se tornou peça chave na conquista daquela Copa do Mundo.

- O Kléberson me ligou e me parabenizou e brincou que o Atlético-PR já tinha o pentacampeonato mundial e agora tem o inédito ouro olímpico - revelou o goleiro.

Mas no meio de tanta festa, Weverton tem a obrigação de ajudar o Atlético-PR nesta sequência de 2016. A responsabilidade do camisa 12 do Furacão aumentou, principalmente com a saída do atacante Walter, que era o principal jogador do time, e do meia Vinícius, com problema extra-campo e emprestado ao Náutico.

- Acompanhei o time todos os dias, sim. Sobre o Walter conversei com ele, mas não sobre o assunto. Ele é um amigo, mas a vida é dele e cada um busca a sua história. Espero reencontrá-lo um dia no mundo do futebol - afirmou o goleiro, que nesta quarta-feira volta a ser titular do Atlético-PR contra o Grêmio, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.