Vasco x Paraná

Tricolor conseguiu neutralizar, principalmente, o meio-campo do Vasco. (Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Guilherme Moreira
29/06/2016
00:36
Curitiba (PR)

A vitória, de virada, por 2 a 1 diante do Vasco da Gama nesta terça-feira, em São Januário, pela décima terceira rodada da Série B, foi elogiada pelo técnico Marcelo Martelotte em dois aspectos. A organização tática e a segurança no sistema defensivo do Paraná.

A equipe paranista saiu atrás do placar, no começo da primeira etapa com Nenê em falha de Baso, mas empatou ainda antes do intervalo em gol contra de Jorge Henrique. No segundo tempo, o time manteve a postura e conseguiu, em contra-ataque, definir a partida aos 45 minutos do segundo tempo.

O triunfo no local, que não vinha desde 2003, teve a parte tática como fundamental. Nos três jogos anteriores, sob comando do novo treinador, o Tricolor atuou no 4-2-3-1. Dessa vez, o comandante jogou no 4-1-4-1 e manteve a organização do início ao fim, mesmo com um gol no início que poderia destabilizar o rendimento.

- Temos falado da organização, dos jogadores entendendo isso independente do resultado. Levamos o gol, continuamos organizados, crescemos e criamos oportunidades. Suportamos a pressão do adversário, mantivemos o planejamento e ganhamos. Não é fácil ganhar aqui e os três pontos somam muito, porque raros times vão conquistar aqui - avaliou. 

Sem Pitty, machucado, Martelotte nesta noite tirou Leandro Silva do meio-campo e colocou como zagueiro, posição de origem. Fernandes voltou para o meio ao lado de Basso, como volantes. Em certos momentos, o ala Rafael Carioca trocou de lugar com Fernandes na proteção à zaga.

A defesa sofreu quatro gols nos últimos quatro jogos, todos com o técnico "novo" - diante do Joinville foi o único jogo desses que não sofreu nenhum. Apesar de, em números, continuar sofrendo tentos, o rendimento melhorou e isso passa pelo olho do treinador.

- A gente sofria com esse problema defensivo. Percebemos essa insegurança e que precisávamos ter uma marcação melhor e no posicionamento para evoluir. Gosto de ver o time ofensivamente, mas entendi que era preciso trabalhar atrás para explorar as qualidades individuais no ataque - completou Martelotte.

A zaga paranista é a oitava menos vazada da competição, com 14 gols sofridos - outros cinco times têm o mesmo número. Com Alisson, titular nas últimas partidas, o sistema defensivo parece ser encaixar melhor e o zagueiro concorda que vê evolução. A equipe, que sofreu pressão do Vasco no segundo tempo, conseguiu suportar e ainda viu o ataque fazer sua parte.

- A gente se estrega, marca e orienta. Conseguimos acertar a defesa, que estava levando gols e sendo insegura, sem desmerecer os companheiros. Consertamos na conversa e está aí o resultado - finalizou o zagueiro.

Com a vitória, o Paraná pulou para a nona colocação, com 20 pontos, a dois do sonhado G-4. No sábado, às 16h, o Tricolor encara o Bragantino, em Bragança Paulista.