Atacante Getterson é alvo de polêmica no Estadual

Atacante Getterson é alvo de polêmica no Estadual (Foto: Divulgação/ J. Malucelli)

Daniel Piva
28/03/2017
19:07
Curitiba (PR)

O caso envolvendo o atacante Getterson ganhou um novo capítulo. Nesta terça-feira, três clubes interpuseram a ação de mandado de garantia inominado, com o pedido do efeito suspensivo do Campeonato Paranaense. Foz do Iguaçu, Toledo e Rio Branco são as equipes que se aliam ao PSTC no pedido da paralisação do Estadual.

A ação dos clubes foi endereçada para o STJD, no Rio de Janeiro. Mas até esta quarta-feira uma outra será encaminhada para o TJD-PR, com o objetivo do julgamento ser nesta quinta, na mesma audiência que tratará dos Embargos de Declaração, interposto pelo J. Malucelli.

- Nós entramos com a medida cautelar para que seja suspenso o campeonato a partir das quartas de final, até que seja julgado o mérito principal. A outra medida que estamos estudando, provavelmente impetrando amanhã (quarta-feira) no primeiro horário, é idêntica a essa, mas no TJD-PR, com o pedido para o julgamento ocorrer já nesta quinta-feira - apontou o advogado Nixon Fiori.

A preocupação de Fiori é que o caso não seja julgado no Rio de Janeiro na semana que vem e que o andamento do campeonato favoreça ao J. Malucelli.

- Se tudo ocorrer muito rápido, e sem qualquer imprevisto no decorrer do processo, ele chegará no STJD na quarta ou quinta-feira. E o Pleno do STJD só se reúne na quinta. Mesmo que marque uma sessão extraordinária fica complicado - completou o advogado.

Dos grandes clubes da capital, o único a falar sobre o tema foi o técnico Paulo Autuori, do Atlético-PR. Na opinião dele, o campeonato tinha que ser paralisado imediatamente, não após a última rodada da primeira fase.

- Isso muda completamente a estratégia de como você vai entrar no jogo. Mas infelizmente isso poderá acontecer, como já houve no ano passado no Sub-20, causado pelo próprio J. Malucelli - afirmou Autuori.

Esse caso citado pelo treinador ocorreu na realidade no Campeonato Paranaense Sub-19, quando o J. Malucelli foi acusado de escalar o atleta Andrew de Souza Barros, que havia sido punido por três jogos pelo TJD-PR e que jogou pelo clube. Na ocasião, o Jotinha foi absolvido pelo STJD, mas a competição ficou 70 dias paralisada.