Valderrama

Valderrama, nos gramados, era um camisa 10 clássico. (Maurício Mano/Atlético-PR)

Guilherme Moreira
01/05/2016
21:31
Curitiba (PR)

Maior jogador de todos os tempos da Colômbia, o ex-meia Carlos Valderrama presenciou a vitória do Atlético-PR por 3 a 0 diante do Coritiba, no primeiro jogo da final do Campeonato Paranaense, na Arena da Baixada. O ex-atleta ficou em um dos camarotes e está ajudando na negociação de seu primo com o time rubro-negro.

Presente no Setor VIP do estádio rubro-negro, o colombiano esteve acompanhado de sua esposa e chegou a publicar uma foto em seu Instagram, poucos minutos antes de começar o clássico Atletiba. Valderrama ficou impressionado com o local que foi palco de quatro jogos da Copa do Mundo de 2014, elogiando o ambiente e a torcida atleticana.

- Estou muito contente de conhecer este estádio muito bonito. O ambiente é muito bom e o estádio espetacular para jogar futebol. Gostei muito do teto fechado. É muito emocionante para um jogador atuar em um campo desta magnitude. Muito calor humano, a torcida canta os 90 minutos. Este é o futebol da América do Sul e é o futebol que a torcida gosta. Um clássico, com uma partida muito disputada, que todos gostam de assistir - afirmou. 

Jarlan Barrera
Jarlan Barrera é promessa do futebol colombiano. (Reprodução/Facebook)

A presença do ex-jogador no duelo, entretanto, é ventilada a uma negociação. Valderrama, 44 anos, é treinador de futebol em uma academia nos Estados Unidos e veio à Curitiba escutar a oferta do Furacão para seu primo, promessa colombiana, junto com dirigentes.

Jarlan Barrera, meia-atacante de 20 anos, atua pelo Junior Barranquilla-COL e é convocado constantemente para a seleção sub-23 da Colômbia. Pelo time sul-americano, o atleta tem 14 gols em 73 jogos. De acordo com o site Transfermarkt, o valor de mercado do jogador é de 800 mil dólares.

Ídolo colombiano

Ídolo em seu país, Valderrama é o recordista de participações com a camisa da Colômbia : 111 partidas. Além disso, foi capitão da Colômbia nas Copas do Mundo de 1990, 1994 e 1998. Destaque na Colômbia e nos Estados Unidos, onde atuou por nove temporadas, o ex-jogador encerrou a carreira em 2004 e ficou marcado por ser um camisa 10 clássico.