Cleber Arado

Atacante coxa-branca era referência em jejum de 10 anos sem títulos. (Divulgação/Coritiba)

Daniel Piva
08/05/2016
10:56
Curitiba (PR)

É unânime que a missão do Coritiba não é nada fácil neste domingo. Dentro do Couto Pereira, às 16 horas, a equipe do técnico Gilson Kleina precisa vencer o Atlético-PR por quatro gols de diferença para conquistar o título do Campeonato Paranaense (um triunfo por três gols leva a decisão para os pênaltis). Porém, alguns ídolos do clube relembram feitos do passado para mostrar que a tarefa também não é impossível.

Um exemplo disso é o ex-meia Ademir Alcântara, que jogou no Coxa no fim da década de 90, e que cita duas vitórias sobre o maior rival em 1995 para inspirarem o time.

- Naquele ano nós vencemos um Atletiba por 5 a 1 no Estadual, em um domingo de Páscoa. Inclusive, esse foi o jogo que iniciou a revelação no Atlético-PR. Já na Série B batemos eles por 3 a 0, no jogo que confirmou o nosso retorno à elite - relembra Alcântara.

Para ele, o feito é possível, mas exigirá muita entrega dos jogadores do Coritiba.

- Além de jogar muita bola, eu acredito que precisa marcar pelo menos um gol no primeiro tempo, até para incendiar a torcida - aponta.

Outro ex-jogador que demonstra confiança é o ex-atacante Cléber Arado. Principal nome do time campeão paranaense de 99 (inclusive marcando o gol que classificou o Coxa na semifinal, diante do Atlético-PR), o ídolo da torcida acredita que aquele título também pode servir como referência.

- A situação era diferente. A gente vinha de um jejum de dez anos sem taça, então estávamos pressionados. Perdemos de 6 a 2 do Paraná na primeira fase, na semifinal apontavam o Atlético-PR como favorito e nós passamos. Na final, contra o Paraná, nos dois últimos jogos saímos perdendo por 2 a 0 e reagimos. Foi na volta por cima, na superação, como tem que ser agora - recorda.

Para Cléber, o Coxa precisará de uma partida praticamente perfeita para conseguir a histórica virada.

- Tem que ser aquele dia encantado, em que tudo dá certo para o Coritiba e que nada funcione para o Atlético-PR - analisa.

Um outro feito lembrado foi em 2011, quando o time comandado pelo Marcelo Oliveira bateu o Atlético-PR por 3 a 0 em plena Arena da Baixada e garantiu o título estadual.

- Neste ano conseguimos um outro jogo que serve como parâmetro: vencemos por 4 a 2 no Couto. O resultado não servirá agora, mas marcamos três gols em dez minutos. Esse é o espírito - aponta o meia Davi, que atuou nas duas partidas.