Negueba - Coritiba

Atacante encerrou jejum de gols diante do Corinthians, no último sábado. (Foto: Rodrigo Coca/Eleven/LANCE!Press)

Guilherme Moreira
06/06/2016
15:57
Curitiba (PR)

Após duas semanas de negociações, Coritiba e Grêmio acertaram os detalhes da troca de Negueba, 24 anos,  por Edinho, 33 anos. Os clubes devem anunciar oficialmente no decorrer desta semana.

Nesta segunda-feira, as partes definiram um acordo verbal e aguardam os contratos redigidos para concluir o negócio. O atacante vai em definitivo a Porto Alegre, com contrato de quatro anos, enquanto o volante firma vínculo de empréstimo por um ano - uma cláusula pode ser acionada para o time paranaense ficar com seus direitos econômicos após o encerramento.

Alvo do time gaúcho desde o início do ano, o atacante coxa-branca recusou uma proposta gremista em abril e teve seu salário aumentado no Alto da Glória. A primeira investida, entretanto, mexeu com o jogador que caiu de rendimento depois disso e foi até cobrado pelo presidente Rogério Bacellar, que criticou o fato dele "estar com a cabeça em outro lugar" desde então.

No sábado, Negueba teve uma boa atuação na derrota por 2 a 1, de virada, para o Corinthians, no Itaquerão, pela sexta rodada da Série A. O camisa 7 marcou o gol alviverde e encerrou o jejum de gols - o último tento marcado tinha acontecido em novembro de 2015, contra a própria equipe paulista. 

Contratado ano passado, o atacante fez um bom Campeonato Paranaense e caiu de produção no Campeonato Brasileiro. O mesmo aconteceu nesta temporada, com um ótimo início de Estadual e a queda no decorrer. Ao todo, o atleta fez 68 partidas (49 como titular) com a camisa coxa-branca, com cinco gols e dez assistências.

Já Edinho, no Grêmio desde 2014, começou bem com Enderson Moreira e, na sequência, chegou a ficar seis meses afastado com o técnico Luiz Felipe Scolari. Ano passado, Roger Machado o reintegrou ao elenco, mas o atleta segue sem muito espaço nas partidas.

O Coxa ainda tentou incluir o atacante Henrique Almeida na negociação, preterindo o volante, mas a direção tricolor não aceitou. O centroavante, em 2015, foi um dos responsáveis pela permanência alviverde na Série A.