Atlético-PR x Coritiba

Furacão não levanta uma taça desde 2009. (Giuliano Gomes/PR PRESS)

Guilherme Moreira
07/05/2016
08:30
Curitiba (PR)

Com grande vantagem para o jogo da volta, o Atlético-PR conquistou uma boa segurança para o duelo de domingo, às 16h, no Couto Pereira, diante do Coritiba. O jogo do final pode representar o fim de três jejuns na história rubro-negra.

O primeiro e principal tabu na visão dos atleticanos é levantar a taça. Desde 2009, quando conquistou seu 22º título estadual, o Furacão não fatura um caneco. O time foi vice em 2010, 2011, 2012 e 2013 - os dois primeiros não previam finais em mata-mata. Todos contra o maior rival. E ainda teve dois vices pela Copa do Brasil (Flamengo, 2013) e Primeira Liga (Fluminense, 2016).

- Estou há sete anos aqui e faz sete anos que o clube não ganha um título. É um momento especial na minha carreira e estou feliz de participar dessa decisão. Busquei esse momento e espero ficar marcado na história do clube, como um atleta que subiu da base, buscou, cresceu e evoluiu. Você pode fazer os melhores jogos, mas se não conquistar nada, não é lembrado - afirmou Otávio, cria da base e um dos destaques da campanha. 

Caso consiga vencer o Coxa no final de semana, o Atlético-PR quebra o tabu de não ter uma vitória na casa do adversário desde 2008. A última vez que a equipe rubro-negra venceu o Verdão no Couto Pereira aconteceu há oitos anos, pelo Estadual, no triunfo de 2 a 0, gols do meio-campista Ferreira e do volante Alan Bahia. O treinador era Ney Franco.

Por fim, o sonhado título também não é conquistado no estádio alviverde desde 1990 - o maior jejum dos três, de 26 anos. A partida, com 42 mil pagantes, terminou empatada por 2 a 2 e garantiu o caneco para o Furacão, que também tinha empatado o primeiro jogo por 1 a 1. O time tinha o comando técnico de Zé Duarte. 

- Nós vamos lá para ganhar o jogo - garante Paulo Autuori

Atual comandante do clube paranaense, o técnico Paulo Autuori prometeu que a equipe vai em busca da vitória no Couto. Após vencer o duelo de ida por 3 a 0, na Arena da Baixada, o Atlético-PR pode perder por até dois gols de diferença que conquista o troféu. Um revés pelo mesmo placar do primeiro jogo leva a partida para as penalidades.

- Nós queremos entrar no domingo para conquistarmos uma vitória. Nós vamos lá para ganhar o jogo. Temos visto muitas coisas acontecerem no futebol por acomodação, por achar que o adversário não é capaz de reverter. O maior respeito ao adversário é jogar no seu limite físico, técnico e mental. Esse é o espírito de um time que quer ser campeão - garantiu