Paraná x Sampaio Corrêa

Tricolor não vencia na Série B há sete partidas. (Divulgação/Paraná)

Daniel Piva
30/08/2016
21:15
Curitiba (PR)

O Paraná sofreu, mas com um gol marcado pelo atacante Lúcio Flávio aos 45 minutos voltou a vencer na Série B. Na noite desta terça-feira, na Vila Capanema, o Tricolor bateu o Sampaio Corrêa por 1 a 0. Assim, o time encerrou um jejum de sete jogos sem vitórias na competição.

Após um início bastante morno, o Paraná teve algumas oportunidades: aos 21 minutos, o atacante Róbson fez bonita jogada pela esquerda e arrematou da entrada da área, mas a bola foi por cima. Já aos 29, após boa jogada do lateral Diego Tavares pela direita, o atacante Fernando Karanga desviou, mas o goleiro Rodrigo Ramos fez firme defesa.

Porém, no fim do primeiro tempo, as melhores oportunidades foram do Sampaio Corrêa. A principal delas ocorreu aos 37, quando Ernecino cabeceou dentro da grande área e levou muito perigo contra a meta do goleiro Marcos.

Insatisfeito com o rendimento do time, o técnico Marcelo Martelotte fez a primeira alteração no intervalo: saiu Claudevan e entrou Lucas Otávio. Já aos 13 minutos foi a vez do meia Cristian sair para a entrada de Nádson. O Paraná até ficou mais tempo com a bola no sistema ofensivo, mas seguia com dificuldades para finalizar.

Já o Sampaio Corrêa seguia assustando nos contra-ataques. A equipe de São Luís teve até um gol incorretamente anulado aos 11, quando o assistente marcou um impedimento que não houve. Já o Paraná, aos 17, também balançou a rede, mas foi marcado corretamente uma posição irregular de Fernando Karanga.

Na base da vontade, o Paraná seguiu pressionando. Aos 37, Lucas Otávio e Lúcio Flávio (que entrou na vaga de Guilherme Queiroz aos 39) desperdiçaram ótimas chances na mesma jogada.

Aos 39, o zagueiro Luiz Otávio foi expulso. E o lance que definiu o jogo aconteceu somente aos 45 minutos, quando Lúcio Flávio fez bonita jogada pela esquerda e finalizou no cantinho do goleiro Rodrigo Ramos. 1 a 0, resultado que dá tranquilidade para o técnico Marcelo Martelotte, que estava bastante pressionado.