Paulo Autuori

Crítico do futebol brasileiro, dirigente do Atlético-PR pediu mais tolerância da torcida. (Marco Oliveira/Atlético-PR)

Dennis Pontes
22/10/2017
22:20
Curitiba (PR)

Após o triunfo diante do Sport na Arena da Baixada neste domingo, a coletiva de imprensa do Atlético-PR não foi positiva. Ao esperar a presença do técnico Fabiano Soares, toda impressa foi surpreendida com o a aparição repentina do gestor de futebol, Paulo Autuori, que não autorizou nenhum tipo de pergunta por parte dos jornalistas.

- Só vou falar e não vou abrir a perguntas. Se quiserem criticar, critiquem a mim - disse o dirigente atleticano.

Muito incomodado com a situação, ele criticou a postura da torcida pelas vaias ao jogador Zé Ivaldo, que cometeu o pênalti que gerou o empate do Sport naquele momento da partida no segundo tempo. No fim da partida, de pênalti, Gedoz deu a vitória ao Furacão.

- O futebol brasileiro é um desperdício de talentos, mas por determinadas atitude daqueles que torcem. E hoje o torcedor teve uma atitude covarde com jogador nosso - relatou o ex-treinador.

Autuori relembrou das atuações do jogador pela Libertadores deste ano, atuando improvisado, já que é zagueiro de origem, e cornetou o protesto da torcida. Zé Ivaldo foi o escolhido pelo treinador para substituir o lateral-direito Jonathan, vetado pelo departamento médico.

- Um jogador que fez uma Libertadores espetacular com a gente e hoje foi vaiado por nossa torcida. Isso tem que acabar. O futebol brasileiro está ficando insuportável. Temos que mostrar aquilo que é bom. Não posso admitir o que fizeram com o jogador. O que fizeram com o Zé Ivaldo é intolerável - completou.

Com 41 pontos e na nona colocação, o Atlético-PR volta a entrar em campo no próximo sábado, novamente na Arena, diante da Chapecoense.