O técnico Paulo Autuori chegou a dizer que o caso é de polícia

O técnico Paulo Autuori aprovou, principalmente, a segunda etapa do Furacão. (Divulgação/Atlético-PR)

Guilherme Moreira
24/03/2016
07:25
Curitiba (PR)

Após a derrota no clássico Atletiba, domingo, e protesto da organizada na terça-feira, o Atlético-PR se recuperou na vitória por 1 a 0 diante do Flamengo, em Juiz de Fora, quarta-feira, pela semifinal da Primeira Liga. Apesar do triunfo, o treinador Paulo Autuori pediu cautela.

Reclamando da força mental depois do revés para o Coritiba, o Furacão conseguiu superar a pressão agravada pela emboscada ao ônibus no caminho do Aeroporto Afonso Pena. A vaga na final da competição ameniza o momento, porém ainda é pouco perto do planejamento estipulado.

- Os jogadores merecem, o clube merece. A equipe é competitiva e depende de nós apenas. No segundo tempo fomos mais incisivos, eficazes e tivemos uma vitória justa. É isso que queremos, mas é um processo. Demos apenas um passo nessa trajetória de evolução - declarou o comandante rubro-negro. 

Com quatro partidas à frente do clube paranaense, sendo duas vitórias, um empate e uma derrota, o técnico atleticano elogiou a postura diferente da equipe. Mesmo com um primeiro tempo apagado, sofrendo com a ofensividade do adversário, o time reagiu na segunda etapa - principalmente após o gol de Marcos Guilherme, aos 16 minutos.

- Tenho 14 dias de clube, mas é a nossa realidade. As pessoas não acreditam no trabalho, apenas no resultado. É um ano exigente e difícil. O jogo todo agradou, mas o segundo tempo foi muito melhor. Foi excelente. É manter o equilíbrio. Não vamos nunca apequenar diante de nenhum adversário - prometeu Autuori.

Agora, garantido na finalíssima do torneio nacional, o Atlético-PR volta a se concentrar no Campeonato Paranaense. Na última rodada da primeira fase, o Furacão encara o Toledo no domingo, às 16h, fora de casa. A equipe é a quarta colocada, com 16 pontos.