Flamengo x Atlético-PR

Apesar do susto um dia antes, Furacão garantiu vaga na final da Primeira Liga. (Divulgação/Atlético-PR)

Guilherme Moreira
24/03/2016
00:27
Curitiba (PR)

O protesto feito pela torcida, que aterrorizou elenco e comissão técnica, não ajudou em nada ao Atlético-PR na vitória por 1 a 0 diante do Flamengo, em Juiz de Fora, pela semifinal da Primeira Liga. Quem garante é o técnico Paulo Autuori. E a diretoria ainda promete tomar atitudes.

Na entrevista coletiva após a partida, o treinador rubro-negro comentou que não existe nenhuma relação do triunfo com a pressão dos torcedores. Na terça-feira, integrantes da organizada Os Fanáticos cercaram o ônibus atleticano em um posto de gasolina com pedras e rojões - uma janela foi quebrada.

A delegação teve que embarcar pela pista de pouso do Aeroporto Afonso Pena. Cerca de 40 torcedores, do lado de fora, protestavam com gritos pedindo "raça", falando em "time de pipoqueiros" e xingando o atacante Walter. 

- Bandido e covarde são assuntos do Ministério Público e da polícia. Nunca vi isso ajudar em campo. Acho até pior - comentou o comandante da equipe.

O presidente do Conselho Deliberativo, Mario Celso Petraglia, prometeu que as pessoas envolvidas que forem sócias serão expulsas do quadro associativo. O clube paranaense também encaminhará as imagens que possui para a polícia.

- Só falta os imbecís (sic) que foram agredir e insultar a delegação acharem que foi o ação deles que fez o resultado! Os sócios serão expulsos! Reclamar, vaiar, querer vitórias faz parte e o torcedor tem o direito de extravasar, porém, agredir com violência, queimar jogadores não! - escreveu no Twitter, depois da classificação desta quarta.

Com a vitória, o Atlético-PR garantiu vaga na final da edição inicial da Primeira Liga. O duelo contra o Fluminense será disputado no dia 7 de abril, ainda sem local definido.