Seedorf

Seedorf havia aceitado proposta do Furacão, mas agente Bruno Paiva pediu 'comissão exorbitante". (AFP)

LANCE!
08/01/2018
18:54
Curitiba (PR)

No início da noite de segunda-feira, o Atlético-PR lançou uma nota oficial acusando o agente Bruno Paiva pela não vinda do manager Seedorf. Além disso, o clube brasileiro ainda acusa o empresário de influenciar na saída de Weverton e da promessa da base, Marcos Bahia.

Sem se pronunciar oficialmente até o momento, o Furacão decidiu abordar o tema envolvendo o técnico holandês. Anteriormente, o ex-atleta tinha aceitado a oferta atleticana e recuou no final do ano. No começo de 2018, o Rubro-Negro anunciou Fernando Diniz como novo treinador.

De acordo com a nota, assinada pelo presidente do Conselho Deliberativo, Mario Celso Petraglia, a empresa OTB Sports, responsável pela carreira de Seedorf, pediu uma "comissão exorbitante" pela negociação e dificultou o acerto após as trocas de minutas do contrato. Além disso, o Atlético-PR descobriu outras situações envolvendo seus comandados que melaram de vez o negócio.

Paiva agencia a carreira do goleiro Weverton, que não aceitou a renovação para seguir no CT do Caju e acabou se transferindo para o Palmeiras. O empresário também empresaria o volante Marcos Bahia, da Seleção Sub-17, que ainda não tem contrato profissional com o Furacão e deve sair "de graça". A empresa ainda cuida do lateral-esquerdo Sidcley e já teme por sua saída em breve.

Diante dos problemas, o Furacão alertou para que outros clubes e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tomem cuidado com a empresa citada devido ao seu comportamento e ainda afirma que, dentro de mais de 800 intermediários cadastrados, apenas cinco ou seis dominam o mercado brasileiro. "Algo deve ser feito"", sentenciou Petraglia.

Confira a nota oficial:

"O Clube Atlético Paranaense vem a público, em especial perante a sua torcida, apresentar as principais razões que levaram à exclusão da alternativa Seedorf no planejamento técnico do futebol atleticano.

Com a saída de Paulo Autuori, o CAP foi ao mercado buscar um Coordenador e Técnico para a condução do futebol profissional. Várias opções se apresentaram ao Clube e, dentre elas, a oferta dos serviços de Clarence Seedorf, pelo intermediário do Sr. Bruno Paiva, representante da OTB Sports (empresa de gerenciamento de atletas e treinadores).

As tratativas caminhavam e Seedorf conheceu a estrutura e o projeto do CAP para as temporadas de 2018 e 2019, chegando até a definir as condições iniciais de sua contratação por intermédio do Sr. Paiva, com a confecção, inclusive, de minuta contratual. Porém, durante as negociações, o CAP deparou-se com a conduta negativa do referido agente, que passou a exigir uma exorbitante comissão pela intermediação. Nessa ocasião, o CAP ainda tomou conhecimento de como o Sr. Paiva, também agente e procurador do nosso ex-goleiro Weverton, conduziu a não renovação de seu contrato, além das suas ações de impedir a profissionalização pelo Clube do garoto Marcos Antonio Silva Santos (o “Bahia”), que por conta da formação de excelência recebida, chegou até a Seleção Brasileira Sub-17. Próximo de alcançar os 18 anos de idade (em junho de 2018), Bahia, influenciado por seus agentes, muito provavelmente romperá sua formação desportiva e buscará subterfúgios para burlar a indenização nacional por formação estabelecida na Lei Pelé e fixar vínculo desportivo no mercado estrangeiro, objetivando tão somente pagar custos básicos de formação, (indenização externa) em prejuízo técnico, econômico e financeiro do Clube Formador!

Vale dizer que, além de Weverton e Bahia, Paiva também adquiriu procurações de outros atletas com formação no CAP — caso do lateral Sidcley Ferreira Pereira — possivelmente com o auxílio de um ex-funcionário, o Sr. Pedro Zalla, que atuou no Clube e hoje também pertence ao grupo OTB Sports.

Exige o tema uma nota de reflexão, tanto para o CAP como para todos os clubes do futebol brasileiro, bem como à CBF — que regulamenta a atuação dos intermediários perante seus filiados — sobre a inescrupulosa conduta de certos agentes que, além de explorarem economicamente atletas e treinadores, intervêm negativamente em suas carreiras, direcionando-os para aquilo que melhor atenda a seus interesses financeiros pessoais. Tais agentes atuam de forma parasita sobre os já combalidos cofres dos clubes brasileiros, que, na ânsia de obter bons resultados em campo, acabam cativos, compelidos a aceitar as exigências de valores absurdos de contratos de trabalho e comissões maiores ainda. Enriquecem os agentes e empobrecem os clubes, que são (e devem ser) os únicos e verdadeiros protagonistas do futebol.

A Lei Pelé, de 1998, originou o fim do “passe” e criou o instrumento para o fim da “escravidão” no futebol. Porém, o que se apresenta hoje é que o “escravo” apenas mudou de “dono”. A CBF registra em torno de 800 nomes de agentes que atuam no controle dos atletas desde seu início de carreira. Muitos meninos com 12 e 13 anos de idade já possuem agentes, com procurações “compradas” com o dinheiro dos próprios clubes. Atualmente, o mercado do futebol está centralizado em 5 ou 6 grandes grupos de empresários, que ditam as regras de mercado e dominam as relações entre clubes e atletas.

Algo deve ser feito!

Cabe aqui, o protesto formal do Clube Atlético Paranaense contra esse nefasto e prejudicial sistema mercadológico estabelecido pela ganância de quem nada contribui com o futebol — ao contrário, dele apenas se alimenta. Compete aos clubes, seus dirigentes e órgãos reguladores tomarem medidas urgentes a respeito do “Mal” representado por essas intermediações e dar um “Basta!”, para o bem do futuro do futebol.

Mario Celso Petraglia
Presidente do Conselho Deliberativo
Clube Atlético Paranaense"