camisa azul Atlético-PR

Camisa azul de treino foi usada por menos de uma semana no CT do Caju. (Gustavo Oliveira/Atlético-PR)

Guilherme Moreira
25/05/2016
14:54
Curitiba (PR)

Um dia após a conquista do Campeonato Paranaense, no dia 9 de maio, o Atlético-PR aproveitou o embalo do título para lançar a nova linha esportiva para 2016. Apesar da aprovação da torcida em geral, a diretoria atleticana não gostou de um item: as camisas de treino feitas pela Umbro.

No primeiro jogo do Campeonato Brasileiro, no Allianz Parque, contra o Palmeiras, o Furacão estreou oficialmente todos os novos materiais: calça, jaqueta, moletom, camisa polo (viagem), meião, calção e camisas de treino e jogo. E uma cor específica irritou a cúpula.

Mesmo sendo utilizada durante a semana que antecedeu a partida, tantos nos treinamentos feitos no centro de treinamento paranaense quanto da Barra Funda, do São Paulo, um dia antes do jogo, a blusa e a camisa de treino azuis, com detalhes em vermelho, preto e branco, desagradaram. A alegação é que não identificam claramente o clube - um rival do Estado (Paraná), por exemplo, utiliza essa cor dividida com a vermelha. Somente o símbolo na frente faz com que seja reconhecido como do Atlético-PR. 

camisa lilás Atlético-PR
Camisa lilás, também vetada, está à venda na loja virtual. (Divulgação/Atlético-PR)

Após o duelo, o LANCE! apurou que o presidente do Conselho Deliberativo, Mario Celso Petraglia, mandou devolver tudo que tinha de azul no CT do Caju para a Umbro. O dirigente pediu para que a rouparia voltasse a utilizar o material antigo (todo vermelho, com detalhes em azuis escuros nas mangas) e que o departamento de marketing resolvesse a questão com a fornecedora de material.

Assim como a azul, outro modelo de camisa de treino, na cor lilás (ou roxa), também teve o mesmo destino traçado pelo mandatário: distância das dependências do Furacão. Os dois modelos, entretanto, continuam à venda na loja virtual oficial do clube paranaense, a Planeta Cap, custando R$ 129,90 cada uma.

Mudanças

Otávio
Modelo de 2015, predominante vermelho, voltou a ser utilizado. (Divulgação/Atlético-PR)

As alterações nos materiais já puderam ser vistas nos jogos seguintes. Diante do Dom Bosco-MT, pela Copa do Brasil, na Arena da Baixada, os atletas voltaram a usar o modelo de 2015. A mesma coisa pode ser vista contra o Atlético-MG, pelo Campeonato Brasileiro, e assim será contra o Botafogo em Juiz de Fora nesta quarta-feira.

O cenário é o mesmo no CT do Caju nos treinamentos do dia a dia. Os jogadores do Furacão aparecem com a camisa e moletom vermelhos no gramado. Os modelos azuis só foram utilizados na semana que antecedeu o duelo contra o Palmeiras. O lilás sequer isso. Ou seja, duraram apenas seis dias: de segunda (9) a sábado (14).

Sem versão oficial

A reportagem tentou entrar em contato diretores do Atlético-PR desde terça-feira, mas não teve nenhuma ligação atendida. Já a Umbro, em questionamentos enviados através de seu site oficial ainda na segunda-feira, também não respondeu ou retornou o contato.

Especialista 

Walter encontra Thiago Mendes e Kelvin no CT da Barra Funda
Walter, no CT da Barra Funda, utilizando o modelo pela última vez. (Reprodução / LANCE!TV)

Para Eduardo Esteves, proprietário do site mktesportivo.com, a atitude do clube paranaense é um erro. O especialista acredita que os uniformes "alternativos" são feitos com outras cores justamente para diferenciar do tradicional.

- Eu vejo como um exagero e uma total falta de alinhamento entre CAP e Umbro. Concordo que as cores do clube devem ser respeitadas e levadas aos uniformes de jogo, mas os de treino, até para se diferenciar do material oficial de jogo, devem existir essa liberdade de explorar outras cores. Até mesmo como força de venda, para que clube e fornecedora lucrem com uma quantidade maior de peças - opinou.

Esteves ainda comenta que, como o uniforme de treino foi lançado oficialmente, alguém responsável do Atlético-PR aprovou o modelo. Assim, a reprovação depois mostra outro erro por parte da direção.

- Independente da questão visual, os uniformes de treinos devem inovar, se diferenciar do que tradicionalmente já é visto em campo. Se chegou ao mercado, é porque houve aprovação prévia. Vejo como um erro duplo do clube (aprovar e mandar tirar da loja). O torcedor, que talvez possa ter comprado, segue como maior prejudicado - sentenciou.

camisa azul Atlético-PR
Na última rodada da Série A, em 2013, Atlético-PR lançou camisa azul em homenagem à Seleção de 1994. (Gustavo Oliveira/Atlético-PR)

A camisa azul, entretanto, não é novidade nas camisas do Atlético-PR. A Umbro, por exemplo, aproveitou a Copa do Mundo em 2014 no Brasil para confeccionar material em seus clubes patrocinados na época.

Homenageando a conquista brasileira em 1994, no tetracampeonato no Mundial dos Estados Unidos, quando estampava a marca da Seleção, a empresa inglesa lançou uma para o time paranaense. A estreia aconteceu ainda no final de 2013, na última rodada do Campeonato Brasileiro, diante do vasco da Gama, em Joinville.