Michel Bastos - São Paulo

Gesto de silêncio de Michel Bastos causou polêmica no sábado (Foto: Mauro Horita/LANCEPRESS!)

LANCE!
03/11/2015
20:42
São Paulo (SP)

As ofensas racistas de uma torcedora do São Paulo contra Michel Bastos na internet seguem repercutindo no São Paulo. Nesta terça-feira, o volante Wesley não escondeu a irritação com o caso de injúria racial com o colega de elenco e cobrou mais ação das autoridades. Segundo o camisa 19, porém, o episódio não é nenhuma surpresa no futebol brasileiro.

- Já tem um tempo que isso existe. Fico triste porque muito se fala e pouco se faz sobre esse assunto. Somos todos iguais. Não gosto de falar porque os outros só falam que vai melhorar e o preconceito continua. Todos são pais de família em todas as raças, ainda mais no Brasil, um país com várias misturas. Não dá para se surpreender com isso. Independente de ser são-paulina. Poderia ser qualquer um, mas não se justifica. É preciso tomar providências - criticou o marcador, antes de continur:

- Joguei na Alemanha (Werder Bremen) e, por incrível que pareça, não tive problema nenhum. O nosso país ainda ter isso é uma vergonha. Tomara que tenha um lado positivo nessa história. Revolta, deixa triste demais. Ainda não falei com o Michel sobre esse assunto, mas é natural que ele se revolte. Tomara a Deus que as medidas sejam tomadas - concluiu.

Michel já emitiu nota oficial para comentar o ocorrido e prometeu levar o caso à Justiça. A ofensa da torcedora foi feita em um comentário de uma foto publicada pelo meia no Instagram. A imagem estava acompanhada de um pedido de desculpas do camisa 7, que disse estar arrependido de ter feito gesto de silêncio para a torcida no Morumbi após selar a vitória por 3 a 0 sobre o Sport no último sábado.

- Na hora do jogo eu não vi, mas acho que não justifica, apesar de entender. É ser humano, estava de cabeça quente e esbravejou. Já pediu desculpas e espero que a torcida entenda. Tudo o que acontece no calor da partida a gente não tem muita noção. Às vezes um cara tranquilo tem reações que assustam todo mundo. Não dá para prever. Mas a gente não pode dar margem, porque a torcida tem direito de cobrar. E a gente tem que ganhar sempre para não passar por isso - lamentou.