Rafael Bortoloti 
03/12/2016
07:00
Rio de Janeiro(RJ)

Domingo, 16 horas. Hora do futebol, sim. Mas também é hora de uma causa nobre. Neste domingo, no mesmo horário, a praia de Copacabana, no Rio de Janeiro,  vai receber uma homenagem às 71 vítimas, incluindo 19 jogadores da Chapecoense,  do trágico acidente aéreo da última terça-feira na Colômbia. 

A ideia nasceu ainda na própria terça-feira, em um grupo no Whatsapp de palmeirenses que moram na capital fluminense. É o que contou um dos organizadores, Raffael D' Oliveira. 

 - A ideia surgiu em uma conversa no  nosso grupo do Whatsapp, o Palmeiras RJ. Estávamos pensando em como homenagear as vítimas e eu sugeri que estendêssemos o convite para as demais torcidas fora do Rio. Consegui o contato do pessoal do Grêmio na internet e o do Atlético-MG que me repassou outros. A partir dai o movimento cresceu.Daí fomos falando com um, com outro e a ideia tomou força. Falamos também com a galera do Olaria, do Bangu e do América-RJ- comentou Oliveira, destacando que o movimento é desvinculado das Torcidas Organizadas. 

- É importante frisar que somos desvinculados das organizadas. Claro que um ou outro é vinculado, mas em geral nós não somos vinculados. Essa é a nossa bandeira. E por isso não convidamos os membros das Torcidas organizadas. Eles poderiam brigar entre elas ou até mesmo com a gente. Se quiser comparecer, pode, é claro, mas a violência não será bem vinda. O nosso foco é outro- completou. 

O ponto de encontro, revelou, será no posto 3 de Copacabana e haverá uma caminhada até o posto 5, na altura da Xavier da Silveira. A ' largada' deve ser às 18h, com as duas horas anteriores destinadas à concentração.

 Além da caminhada, será respeitado um minuto de silêncio e outro de palmas.  Nas redes sociais, cerca de 1000 pessoas já confirmaram presença, principalmente após o 'empurrãozinho' dado por jogadores de futebol.  Alecsandro, do Palmeiras; Diego do Flamengo e Brocador, do Bahia, foram alguns dos atletas à demonstrarem apoio à iniciativa.  O local não poderia ser outro. A escolha pela praia foi unânime, apontou Raffael.  

- Escolhemos Copacabana pois é um ponto de encontro das três primeiras torcidas a demonstrarem interesse: Palmeiras, Inter e Grêmio.  E também por que é um ponto turístico, uma referência. Tem que comparecer com a camisa do time, fardado. É pra fazer uma homenagem justa- comentou. 

Por fim, Raffael destacou que os palmeirense se sentem  com um débito maior para homenagear a Chape. 

- Para nós foi até mais traumático o que aconteceu com eles. Primeiro porque o último jogo deles foi contra a gente e que nos deu o título...Eles subiram com a gente em 2014. Acompanhamos a saga deles- finalizou.