Rafael Bortoloti
14/10/2017
21:03
Rio de Janeiro (RJ)

A festa foi completa para o torcedor vascaíno carioca. Após seis jogos, eles reencontraram o time, na noite deste sábado, em clássico com o Botafogo. O maior elo do time com a torcida, o meia Nenê, foi o responsável pela cereja do bolo e e o gol da vitória, o 1 a 0, em jogo da 28° rodada. O duelo foi quente, e o Glorioso reclamou bastante da arbitragem após lances polêmicos.

Com o resultado, o time de Zé Ricardo pula para oitavo, agora com 39 pontos, e fica a quatro do próprio Botafogo, em sexto. O sétimo é um outro carioca, o Flamengo, com 40, que fecha o G7. Neste momento, porque o Cruzeiro ganhou a Copa do Brasil, o Rubro-Negro encerra a zona de classificação à Libertadores.

A partida começou estudada, com a bola presa no meio-campo, mas este foi um cenário que pouco durou. Logo o Botafogo foi para cima, até porque tinha dois meias (Marcos Vinicius e João Paulo). O Alvinegro trocava bem os passes e não à toa chegou a ter 59% da posse de bola, mas era ineficaz na criação. 

O Vasco preferia o contra-ataque. Em um deles, aos 11, Wellington - vaiado antes do jogo - encontrou a trave em chute de fora da área. Na sequência, outra boa chegada, com Mateus Vital. O volante vascaíno acertou uma bomba, em passe que veio rasteiro, mas a bola explodiu na marcação. 

Passada a rápida blitz vascaína, o cenário foi retomado. O Botafogo apostava sobretudo em chuveirinhos, mas também tentou algumas jogadas enfiadas e até chutes de fora da área, como em um de Bruno Silva. Em um dos raros momentos que contra-atacou, o Glorioso viu Victor Luis arrancar e na 'Hora H' errar a medida do passe para Brenner.

Vasco volta melhore Nenê decide

O segundo tempo começou com um cenário diferente do primeiro, que foi até sonolento. O Cruz-Maltino voltou mais aceso, buscando mais o jogo. Aos sete, Nenê desperdiçou grande passe para Thalles ao inventar um passe de calcanhar. No minuto seguinte, o meia se redimiu com um chute na rede pelo lado de fora após bom passe de Vital.

Ainda era pouco. A redenção do camisa 10 viria aos 24, em belo chute da entrada da área, que desviou em Carli. Festa da torcida. O lance gerou muita reclamação por parte dos jogadores do Botafogo, que pediram um toque de mão do meia rival. Antes, no início da jogada, o Glorioso também reclamou de pênalti não marcado na área do adversário, quando a bola teria tocado no mão do lateral Madson. O árbitro considerou os lances normais e nada marcou.

Aos 33, Jair Ventura sacou Pimpão e Brenner e colocou Guilherme e Tanque, que quase marcou no primeiro toque, mas a bola não entrou. O Botafogo foi para o abafa na reta final, mas o Cruz-Maltino conseguiu segurar a pressão.

FICHA TÉCNICA
VASCO 1 X 0 BOTAFOGO

Local: Maracanã, em Rio de Janeiro (RJ)
Data/horário: 14/10/2017 - 19h
Árbitro: Vinicius Goncalves Dias Araujo (SP)
Assistentes: Rogerio Pablos Zanardo (SP) e Herman Brumel Vani - (SP)
Público/renda: 27.424 pagantes (31.406 presentes)/ R$ 1.063.215,00
Cartões amarelos: Yago Pikachu, Caio Monteiro, Nenê, Jean e Paulo Vitor (VAS); Marcos Vinicius, Carli (BOT)
Cartões vermelhos: -
Gols: Nenê (23'/2ºT) (1-0)

VASCO: Martin Silva; Madson, Breno, Anderson Martins e Ramon; Jean e Wellington; Wagner (Yago Pikachu/intervalo), Nenê e Matheus Vital; Thalles (Caio Monteiro, aos 30'/2°T). Téc: Zé Ricardo.

BOTAFOGO: Gatito; Arnaldo, Carli, Igor Rabello e Victor Luis, Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, João Paulo e Marcos Vinicius (Gilson, aos 25'/2°T); Rodrigo Pimpão (Guilherme, aos 33'/2°T) e Brenner (Vinícius Tanque, aos 33'/2°T). Téc: Jair Ventura.