Rafael Pereira e Vinícius Perazzini
28/04/2016
09:36
Rio de Janeiro (RJ)

- Fala, MC Bin Laden! Tudo tranquilo?

- Tudo tranquilo e favorável!

As risadas tomaram conta do ambiente. Com cinco segundos de diálogo, a gargalhada já rolava solta. De fato, o funkeiro Jefferson Christian dos Santos Lima é um cara tranquilo, favorável, humilde e carismático. Aos 22 anos, MC Bin Laden "estourou" no início deste ano com a música "Tá Tranquilo, Tá Favorável" e os vídeos do hit no YouTube já ultrapassam 20 milhões de visualizações. O sucesso do artista não demorou para chegar nos boleiros e até Neymar já dançou a música ao comemorar gol. Em papo exclusivo ao LANCE!, o MC se mostrou por dentro de diversos temas do futebol e revelou ser um apaixonado torcedor do Santos, contando enorme loucura feita pelo clube.


Nascido na Vila Progresso, bairro da região de Itaquera, em São Paulo, MC Bin Laden herdou o carinho pelo Santos de sua família. Seu avô (já falecido) torcia pelo Peixe, assim como seu pai. O amor do funkeiro pelo clube é tão grande que já resultou até em um fim de namoro inusitado. O motivo? Bin Laden deixou a parceira de lado em uma data especial para ver o Santos em decisão.

- Era uma final de Campeonato Paulista (2007), Santos e São Caetano. Naquela época eu estava ficando com uma "mina", gostava muito dela, e ela me amava. Só que o amor dela por mim acabou naquele dia. Era nosso aniversário de namoro e aniversário dela também, aniversário duplo. Mas eu inventei que estava doente e não poderia vê-la, isso para assistir o jogo pela TV com os amigos. Só que ela descobriu, pois viu fotos. A gente terminou... (pausa para pensar). Mas o importante é que o Santos foi campeão, né! Valeu a pena! Ela acabou terminando comigo, aí eu falei assim: "Pelo Santos, eu não troco não".

No começo deste mês, você foi convidado para ver Santos x Ituano de camarote na Vila Belmiro. Como ficou o seu coração e sua emoção naquele dia?
>
Foi uma emoção enorme. Sou santista desde pequeno. Meu avô, meu pai e meu irmão mais novo também são. É um laço transmitido de geração a geração, uma paixão que vem desde quando eu era muito novo, acompanhando a geração do Giovanni. Fico feliz de hoje ter condições de levar meu pai, minha mãe, meu irmão na Vila. Tudo isso é um sonho realizado.



Para você, qual é o maior rival do Santos? E por qual motivo?

Para mim, o maior rival do Santos é o Corinthians. É o maior rival pelo prazer de ganhar do Corinthians, pelo tamanho da rivalidade, pela alegria de zoar com os amigos. Mas olha, vou falar um negócio para vocês: eu tenho vontade de ter ao lado uma pessoa que seja corintiana, mas "tô" esperando a hora certa. (MC Bin Laden está solteiro há três semanas, após fim de relação de quatro anos)

Recentemente, a rivalidade entre Santos e Palmeiras tem protagonizado episódios quentes. O que você acha do goleiro Fernando Prass?
>
Ele é um cara bom, mas gosta de levar muito gol de um cara só (risos), que é um grande artilheiro (referindo-se a Ricardo Oliveira). Mas aí, com essa rivalidade toda viva, o Prass bateu no peito para defender o time dele, brigou pela equipe, demonstrando paixão pelo clube dele.

Qual é a sua pior e sua melhor lembrança como torcedor do Santos?
>
A pior lembrança é o gol do Ricardinho, do Corinthians, no fim do jogo. (48 minutos do segundo tempo da semifinal do Paulistão-2001). Já lembranças boas, eu tenho muitas. As pedaladas do Robinho (final do Brasileirão-2002), o gol de bicicleta do Alberto (contra o Corinthians, no Brasileirão-2002), o título da Libertadores de 2011. A melhor lembrança de todas é da conquista do Brasileiro de 2002, de ser campeão ao lado do meu avô.

Santos 2002 (Foto: Ari Ferreira)
Santos de Robinho e Diego marcou MC Bin Laden (Foto: Ari Ferreira)

Você tentou ser jogador de futebol quando criança?
> Cheguei a tentar, mas minha família tinha muitas dificuldades. Meus pais não tinham chuteira, nem nada, eu não tinha como pegar o "busão". Acabei jogando só na rua mesmo, participando de campeonatos por lá. Sou aquele centroavante que busca a bola, que se movimenta, não gosto de ficar parado esperando a bola, se não fica fácil para marcar. Gosto de tabelar, ir na ponta, rodar o time, "tá ligado"?

Quem joga melhor: você ou Wesley Safadão?
Mesmo que eu seja perna de pau, eu me acho mais jogador que o Pelé (risos). Eu sei driblar um pouco, tocar a bola. Não tenho aquele hábito de bater certinho, porque não tive oportunidades, mas sei jogar um pouquinho, tenho uma noção básica. Gosto de rodar a bola. Acho que o Safadão é um bom jogador, já vi jogar em algumas peladas, mas acho que ali no ataque eu ajudaria mais ele do que ele me ajudaria. Geralmente é assim, quando você tem Ricardo Oliveira (referindo-se a Wesley Safadão) no ataque, a vida de um Neymar (MC Bin Laden referindo-se a ele mesmo) fica mais fácil. (risos)

Recentemente, Neymar dançou "Tá Tranquilo, Tá Favorável" em comemoração de gol contra o Celta de Vigo. Qual foi a sua reação no momento?
>
Ver o Neymar comemorando daquele jeito, no Camp Nou lotado, foi incrível. Só seria mais incrível se fosse contra o Real Madrid (risos). Além do Neymar, outros jogadores estão dançando, o que me deixa muito feliz. Neste domingo vi o Neilton, que foi revelado pelo Santos e hoje está no Botafogo, fazendo também. É muita alegria por tudo o que está acontecendo na minha vida.

A comemoração do Neymar foi combinada entre você e ele?
> Nunca tive contato direto com o Neymar. Não sei ao certo como a música chegou até ele, mas o importante é que ele está feliz e dançou.