Seleção Brasileira chega no Brasil

Chegada da Seleção ao Rio neste domingo (Foto: AFP)

Alexandre Araújo
08/07/2018
13:32
Rio de Janeiro (RJ)

Depois de toda a movimentação gerada pelo desembarque de parte da delegação da Seleção Brasileira que esteve na Rússia, um rosto bastante conhecido para quem acompanha o time canarinho passou no saguão do aeroporto internacional do Rio de Janeiro: Américo Faria, ex-dirigente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Nos 20 anos em que esteve na instituição, Américo tem no currículo algumas conquistas, dentre elas, duas Copas do Mundo (1994 e 2002). Ele se desligou da entidade após o Mundial de 2010, quando também saiu o então técnico Dunga.

Américo rechaçou o discurso de "terra arrasada" após a eliminação para o Bélgica nas quartas de final - derrota por 2 a 1 no tempo normal - e avisou que o Brasil continua forte.

- O brasileiro está até mal acostumada porque ganhamos cinco títulos. E quando você é eliminado antes de uma final, acha que tem alguma coisa errada. Não é isso. Futebol é resultado. Você pode ganhar ou perder. Acho que os brasileiros, de uma maneira geral, viram que o desempenho dentro de campo. Se não foi suficiente para ganhar, viu o esforço de cada um e isso é importante - disse ele, que completou:

- A organização, logística que foi feita, toda a condição de hospedagem, alimentação... isso tudo faz parte de uma competição, mas só um pode ganhar. Não quer dizer que os outros estejam errados. Quando a Espanha ganhou, todo mundo achava que o futebol brasileiro tinha de se reciclar na Espanha. Quando a Alemanha ganhou, tinha de se reciclar na Alemanha. E gozado é o seguinte: o Brasil é o único país que foi a três finais consecutivas de Copa do Mundo e não dissemos que todo mundo tinha de vir aqui se reciclar. O futebol se globalizou, houve uma evolução em países que não tinham tanto poderio, mas o Brasil continua grande no futebol também. Ganhar ou perder faz parte do jogo.

O ex-supervisor da CBF também fez elogios ao trabalho da comissão técnico comandada por Tite.

- É um trabalho diferenciado. Acho que, se for comparar hoje, é um trabalho diferenciado. A estrutura que foi montada dentro da CBF... Inclusive, se critica muito a CBF, mas eu parabenizo. Tudo que foi pedido, tudo que foi necessário para a Seleção, foi colocado à disposição.

Américo Faria ressaltou também que, na avaliação dele, não houve erro na logística desenhada para a disputa da competição.

- Acho que foi tudo bem (questão de logística). Não foi isso que, por acaso, fez a diferença. O Brasil não perdeu por causa disso. Brasil perdeu dentro de campo. Futebol tem de ser assim. A logística funciona de uma maneira que o resultado seja dentro de campo. E foi isso que aconteceu

No início de 2014, Américo teve uma passagem como treinador do Boavista. Durante as décadas de 70 e 80 já havia tido outras experiências em comandos de equipes.