Martin Silva, Jefferson, Ribamar e Jorge Henrique (Foto: ARTE LANCE!)

Jorge Henrique foi o herói do primeiro jogo. Mas quem será o deste domingo? (Foto: Arte LANCE! )

David Nascimento, Felippe Rocha, Matheus Dantas e Vinícius Britto
08/05/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Seja qual for o desfecho do Campeonato Carioca, ele terá um herói. Com mais ou menos fama, com mais ou menos surpresa, sempre há um rosto eternizado. Aquele que será explorado naturalmente aqui no LANCE! e em outros veículos. Há muitos candidatos a protagonista. O segundo jogo da final entre Vasco e Botafogo começa às 16h e terá transmissão em tempo real no site do LANCE!

O primeiro candidato é Jorge Henrique. Autor do gol da vitória vascaína no domingo passado, ele obrigou o Glorioso a vencer o Cruz-Maltino, hoje, por dois gols de diferença para levar a taça. Se o Glorioso vencer por apenas um, assistiremos a uma decisão por pênaltis.

Outros jogadores que podem ter destaque mais tarde já vem chamando atenção há tempos. Martin Silva, se não for vazado, garante o título. Jefferson falhou no primeiro jogo, e quem sabe nos pênaltis, onde já foi decisivo em outras ocasiões, ele consegue a redenção.

Mas o time de General Severiano precisa é fazer gols. E para tal, Ribamar continua sendo a esperança no comando de ataque. Ele tem apenas três gols no time profissional. Todos nas partidas contra o Fluminense. Do lado vascaíno, Riascos fez um grande campeonato e não surpreenderá se marcar mais um.

No jogo pela Taça Guanabara em que o Vasco venceu o Botafogo, quem resolveu foi Thalles. Desta vez, ele começa no banco. Aquele gol surgiu de um passe de Nenê, que também deu assistência para o gol de semana passada. O camisa 10 de São Januário tem talento de sobra.

Mas por que não acreditar no improvável? Quantos nomes antes desconhecidos entraram para a história? Será que vai caber a Salgueiro, grande contratação botafoguense para o ano, até agora, o gol salvador? Ou será Julio dos Santos, que também não balançou redes pelo time que defende, o personagem central da conquista?

O roteiro é imprevisível. Certa mesmo apenas a apreensão dos botafoguenses, que saem atrás, e a ansiedade dos vascaínos, que sonham com o bicampeonato, e invictos.