Paulo Schmitt (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

Paulo Schmitt (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

LANCE!
04/04/2016
15:46
Rio de Janeiro (RJ)

Os membros da procuradoria do STJD decidiram enviar à CBF uma carta de apoio à atuação do procurador-geral da corte, Paulo Schmitt, alvo de contestação por parte dos 12 principais clubes do Brasil depois do vazamento de conversas por e-mail com membros da CBF datadas de 2012 - o diretor jurídico Carlos Eugenio Lopes e o então vice-presidente Marco Polo Del Nero.

Na carta formulada semana passada, os clubes pedem à CBF que não indique mais Schmitt ao cargo na próxima eleição, em julho. Mas os integrantes da procuradoria, subordinados a Schmitt, ressaltam que o procurador-geral, a quem classificam como dono de "inquestionável capacidade técnica e conhecimento da lex esportiva", foi "escolhido, por duas vezes e em votações unânimes, pelos auditores que integram o Pleno do STJD dentre três nomes de livre indicação da CBF".

O texto de apoio a Schmitt ainda diz que não cabe aos clubes "dizer quem deva ou não" constar nas indicações da CBF. Os procuradores consideram ainda a postura dos clubes uma inquestionável usurpação de atribuição por parte de quem são denunciados e eventualmente punidos por infrações disciplinares, também denota o incontido casuísmo por parte de quem está à procura de aproveitar que informações distorcidas, maliciosamente divulgadas e levadas a interpretações equivocadas, sirvam de desculpa para atacar a pessoa do Procurador Geral do STJD".

Os membros da procuradoria acrescentam que "os questionamentos insistentemente suscitados acerca da utilização de ingressos para os jogos da Copa do Mundo são convenientemente rememorados, porém, sem esclarecer que todos os membros do STJD e dos TJD’s, profissionais que exercem suas atribuições de forma voluntária e não
remunerada, tiveram igual acesso às aquisições onerosamente franqueadas aos membros da Procuradoria".

Entre os signatários do documento de apoio está o sub-procurador William Figueiredo, que será o responsável por atuar no processo disciplinar aberto pela Corregedoria do STJD contra Paulo Schmitt.