Montagem 1 - Diego Souza x Emerson Sheik

Diego Souza veste a 10 do Fluminense e Emerson Sheik a 11 do Flamengo no clássico desta noite (Foto: Divulgação)

João Matheus Ferreira e Vinicius Britto
21/02/2016
11:00
Rio de Janeiro (RJ)

Diego Souza e Emerson Sheik fazem parte daquele seleto grupo de jogadores que fogem do chamado “discurso padrão”, algo tão comum no futebol atual. Com personalidade forte fora de campo e muita qualidade dentro dele, os dois estarão frente a frente no clássico da noite deste domingo, às 19h30, no Mané Garrincha, em Brasília. Flamengo e Fluminense, aliás, é algo que os dois são íntimos. Afinal, já viveram os dois lados da moeda.

Se hoje Diego Souza é o camisa 10 é um dos principais jogadores do Fluminense, há dez anos ele estava no lado rubro-negro do clássico. Embora tenha sido revelado pelo Tricolor, foi vendido para o Benfica e meses depois emprestado para o Flamengo, justamente o maior rival do clube que o revelou. Para ele, porém, isso não foi problema. Tanto que no primeiro encontro entre os dois, no Brasileirão 2005, marcou o gol de empate e comemorou com muita vibração – não à toa, recebeu até cartão amarelo.

Camisa 11 e titular absoluto do Flamengo desde o ano passado, Emerson Sheik ficou nove meses nas Laranjeiras. O suficiente para marcar o gol do título brasileiro em 2010 e, de certa forma, escrever o nome na história do clube, já que a conquista não vinha há 26 anos. A saída, porém, foi pela porta dos fudos. Rescindiu de forma amigável após ser pego cantando uma funk que, na época, ficou famoso por ser cantado pelos atletas do Flamengo, o “Bonde do Mengão sem freio”.

Montagem 2 - Diego Souza x Emerson Sheik
Diego Souza e Sheik já viveram o outro lado  (Foto: Divulgação)

Mas a saída de Diego Souza da Gávea também não foi das melhores. Nos últimos meses de empréstimo, foi para o banco de reservas e chegou a ser chamado de “gordo” por Kleber Leite, dirigente do clube na época. O Flamengo sequer cogitou a renovação do empréstimo.

De volta ao Flu, Diego Souza começou o ano em alta. Sheik, ainda sem brilho. No total, o meia disputou cinco vezes o clássico, sendo três com a camisa tricolor (três vitórias) e duas pelo lado rubro-negro (dois empates). O único gol foi marcado com a camisa do Flamengo. O atacante jogou o Fla-Flu em cinco oportunidades: quatro pelo Rubro-Negro (três empates e uma vitória) e uma com a camisa do Fluminense (um empate). O único gol foi pelo Fla.