Marcio Monteiro
08/02/2016
07:30
São Paulo (SP)

Sem folga no Carnaval, Santos e São Paulo entraram em campo neste final de semana pelo Paulistão. O Peixe, jogando sob o calor desumano do meio-dia, como descreveu o atacante Ricardo Oliveira após o jogo, venceu o Ituano na bacia das almas, com gol de pênalti no último minuto de jogo. O Tricolor poupou a maioria de seus titulares e viu Calleri marcar mais duas vezes na goleada sobre o Água Santa.

Debaixo de um Sol escaldante, Santos e Ituano fizeram um jogo amarrado e sem grande brilho de seus principais craques, Lucas Lima, Gabigol e Ricardo Oliveira. Quem resolveu então foi o zagueiro Gustavo Henrique, que abriu o placar para o time da casa de cabeça.

Após sofrer o empate já na segunda etapa, parecia que o jogo acabaria mesmo igualado. Mas um pênalti aos 52 minutos, bem cobrado por Oliveira, garantiu mais três pontos aos santistas. O Peixe versão 2016 ainda está bem longe daquele de 2015, que era considerado um dos melhores times do Brasil. Ainda é muito cedo para qualquer avaliação mais dura, mas o Santos ainda tem muito o que melhorar. Corinthians e São Paulo já ganham forma a cada jogo que passa...


O São Paulo que foi até o Pacaembu com time misto e passeou contra o Água Santa: 4 a 0 e mais dois gols de Calleri, que pode se tornar um ídolo meteórico da equipe, já que só fica até o meio do ano. O artilheiro argentino mais uma vez mostrou um excelente posicionamento em seu segundo jogo pela equipe, além de faro de gol e habilidade.

O atacante já ganhou até mesmo uma música da torcida do Tricolor paulista: Toca no Calleri que é gol! Alan Kardec já pode sim ficar preocupado com sua titularidade. O técnico Bauza afirmou que não pretende usar os dois homens de área juntos, mas também não descarta utilizar ambos se necessário.

Para a decisão de quarta do São Paulo pela Libertadores, contra o peruano César Vallejo, Bauza já afirmou que se Jonathan Calleri estiver em boas condições físicas, entra no lugar de Kardec. Se não sair como titular, é certeza de presença na segunda etapa. O Tricolor ainda não teve nenhum grande desafio neste ano, mas é o que mostra maior evolução entre os paulistas. O novo treinador do time sabe o que faz, está conseguindo impor suas ideias rapidamente e parece ter ganhado o prestígio do elenco. Neste carnaval, deu samba para o São Paulo, ou melhor, tango.