RADAR/LANCE!
10/02/2016
18:56
Rio de Janeiro (RJ)

A Mangueira, última escola a desfilar, já na madrugada de terça-feira, com o enredo "Maria Bethânia: A Menina dos olhos de Oyá", sagrou-se a campeã do Carnaval do Rio de Janeiro em uma votação equilibradíssima e decidida apenas no último quesito, Alegorias e Adereços. A Mangueira teve 269,8 pontos, ficando apenas um décimo à frente de Unidos da Tijuca e Portela. O Salgueiro, que travou um duelo voto a voto com a Mangueira até Alegorias e Adereços, penou por ter um carro que não acendeu as suas luzes e acabou perdendo três décimos que jogaram a escola para o quarto lugar.

Desde o primeiro jurado a Mangueira travou um duelo com o Salgueiro, que abriu vantagem no quesito 3, Comissão de Frente, o único que a Mangueira não gabaritou, perdendo dois décimos. Entretanto, logo no quesito seguinte, fantasias, foi a vez do salgueiro perder dois décimos, voltando a empatar na pontuação e, o principal, deixando a Mangueira na frente no caso de um eventual desempate e daí para a frente ela, mesmo com três rivais em seus calcanhares, jamais deixou de ficar na frente.

O triunfo mangueirense acabou com o mais longo jejum de títulos da escola. A primeira campeã dos desfile do Rio, em 1932, tinha sido vencedora pela última vez em 2002 e jamais havia ficado 13 anos sem ganhar. Todos os títulos da Mangueira: 1932, 1933, 1934, 1938, 1940, 1949, 1950, 1954, 1960, 1961, 1967, 1968, 1973, 1984, 1986, 1987, 1998, 2002 e 2016.


Embora tenha feito um desfile excepcional, com um ótimo samba, e que emocionou a torcida. A vitória mangueirense teve um nome. O carnavalesco Leandro Vieira. Praticamente um novato, Leandro conseguiu fazer com um orçamento limitado um carnaval de ponta.

– Eu sei que não era a primeira opção. E que fui contratado porque eu sou barato e não porque eu era uma sumidade, um Pelé. Afinal, minha pouca experiência pesava. Antes deste desfile, eu apenas tinha um carnaval, na Caprichosos de Pilares no ano passado, que ficou em sétimo lugar no grupo de Acesso. Mas sei que fiz um bom trabalho lá sem dinheiro e por isso me chamaram – disse Leandro.

Campeã da Série A de 2015, a Estácio de Sá voltou à elite do samba após oito anos de ausência, mas acabou rebaixada em seu retorno. O enredo "São Jorge! O Guerreiro na Fé" rendeu 265 pontos à escola, contra 265,8 da União da Ilha, a 11ª colocada.

CLASSIFICAÇÃO FINAL: 

1º Mangueira ................... 269,8 pontos
2º Unidos da Tijuca.......... 269,7
3º Portela.......................... 269,7
4º Salgueiro....................... 269,5
5º Beija-Flor....................... 269,3
6º Imperatriz..................... 269,2
7º Grande Rio................... 268,7
8º Vila Isabel...................... 267,9
9º São Clemente............... 267,8
10º Mocidade.................... 266,5
11º União da Ilha............... 265,8
12º Estácio de Sá............... 265,0