icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/08/2015
23:30

Foi por pouco, O Atlético-MG tinha a vaga nas quartas de final da Copa do Brasil assegurada até os 44 minutos do segundo tempo, quando Marcão marcou de cabeça e fez 2 a 1 para o Figueirense, garantindo a classificação do clube catarinense. Após a partida, o técnico Levir Culpi reconheceu os méritos do adversário, mas classificou como injusta a eliminação do Galo.

- Não acho que foi justa a eliminação. Mas não dá para dizer que o Figueirense não mereceu. Correram muito também. E conseguiram dois gols de cabeça, além de um gol lá (Belo Horizonte). Houve méritos do adversário. Mas nós poderíamos ter passado também. Nós jogamos para ter passado - afirmou Levir.

A partida no Orlando Scarpelli teve arbitragem polêmica. Aos 35 minutos da primeira etapa, Leonardo Silva recebeu cartão vermelha por falta em Clayton. Último homem de defesa, Léo Silva puxou a camisa do atacante do Figueira, que ainda estava a uma boa distância da grande área defendida por Victor.

Na etapa derradeira, foi a vez do Figueirense reclamar. Em cruzamento da esquerda, a bola na mão de Jemerson e saiu pela linha de fundo. O árbitro marcou apenas escanteio. Levir Culpi não quis culpar a arbitragem pela eliminação do Atlético-MG.

- Foi visível o erro da arbitragem, como erraram não dando um pênalti para o Figueirense. Para nós pesou um pouco mais, foram 60 minutos com um jogador a menos. O jogo em si foi decidido na bola parada. Nós fizemos um (gol) e eles fizeram dois. Então, acabou a Copa do Brasil. Só foco no Brasileiro agora.

Foi por pouco, O Atlético-MG tinha a vaga nas quartas de final da Copa do Brasil assegurada até os 44 minutos do segundo tempo, quando Marcão marcou de cabeça e fez 2 a 1 para o Figueirense, garantindo a classificação do clube catarinense. Após a partida, o técnico Levir Culpi reconheceu os méritos do adversário, mas classificou como injusta a eliminação do Galo.

- Não acho que foi justa a eliminação. Mas não dá para dizer que o Figueirense não mereceu. Correram muito também. E conseguiram dois gols de cabeça, além de um gol lá (Belo Horizonte). Houve méritos do adversário. Mas nós poderíamos ter passado também. Nós jogamos para ter passado - afirmou Levir.

A partida no Orlando Scarpelli teve arbitragem polêmica. Aos 35 minutos da primeira etapa, Leonardo Silva recebeu cartão vermelha por falta em Clayton. Último homem de defesa, Léo Silva puxou a camisa do atacante do Figueira, que ainda estava a uma boa distância da grande área defendida por Victor.

Na etapa derradeira, foi a vez do Figueirense reclamar. Em cruzamento da esquerda, a bola na mão de Jemerson e saiu pela linha de fundo. O árbitro marcou apenas escanteio. Levir Culpi não quis culpar a arbitragem pela eliminação do Atlético-MG.

- Foi visível o erro da arbitragem, como erraram não dando um pênalti para o Figueirense. Para nós pesou um pouco mais, foram 60 minutos com um jogador a menos. O jogo em si foi decidido na bola parada. Nós fizemos um (gol) e eles fizeram dois. Então, acabou a Copa do Brasil. Só foco no Brasileiro agora.