Pedro Garcia

Pedro Garcia ficará responsável pela negociação de direitos de transmissão com os clubes de futebol (Foto: Divulgação)

LANCE!
09/11/2015
16:59
São Paulo

A área de esportes do Grupo Globo tem um novo “homem-forte” após mais de duas décadas nas mãos de Marcelo Campos Pinto, executivo que deixará a empresa ao final deste ano. Em seu lugar, assume Pedro Garcia, atual diretor dos canais e produtos de esporte da Globosat (SporTV, Premiere e Combate) e que passa a ser o responsável pelas negociações de direitos de transmissão do Grupo Globo com os clubes de futebol.

Por sua área de atuação dentro da companhia, a escolha de Garcia é uma mostra de que as transmissões de jogos em canais pagos passa a ser o grande carro-chefe dos negócios envolvendo a principal empresa de transmissão de futebol no país e os clubes.

No último contrato com os times, a Globo destinou R$ 450 milhões por ano só pelas transmissões de jogos pelo pay-per-view (PPV), o que corresponde a mais de um terço dos R$ 1,2 bilhão pagos aos clubes em 2014, segundo levantamento do Itaú BBA. A expectativa é o valor pago de PPV aos times ultrapasse os R$ 500 milhões nas negociações para as transmissões de jogos de 2016 a 2018.

Na nova estrutura da Globo Esportes, Garcia ficará subordinado a Roberto Marinho Neto, filho do atual presidente do Grupo Globo, Roberto Irineu Marinho, e neto do fundador do conglomerado de mídia, Roberto Marinho. O braço esportivo da Globo terá ainda um Comitê de Direitos Esportivos, que será formado por Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da Globo, Alberto Pecegueiro, diretor-geral da Globosat, e Jorge Nóbrega, membro do conselho administrativo do Grupo Globo.

No comunicado divulgado na semana passada, a companhia diz que “a estrutura da nova Globo Esportes englobará as equipes e atividades de TV Globo e Globosat já envolvidas hoje nos processos de aquisição de direitos esportivos”.

Além de manter a atuação nos canais SporTV e nos serviços de PPV, Premiere e Combate, Garcia assumirá o papel de negociar os direitos de transmissão com os clubes de futebol no momento em que os contratos estão sendo negociados para o triênio 2016-18. Nessa negociação, ele já terá o desafio de obter uma prorrogação dos contratos por mais dois anos, como pretende o Grupo Globo, estendendo os acordos até 2020, prazo que não tem agradado os clubes.

Segundo comunicado, "Marcelo Campos Pinto permanece até o final do ano para apoiar a organização da nova estrutura de Esportes"

A função foi exercida por vários anos por Campos Pinto, tendo como ponto principal a negociação individual dos contratos junto aos clubes após o fim do Clube dos 13, em 2011. Segundo o comunicado da companhia, o executivo permanece no Grupo Globo até o final do ano para apoiar a organização da nova estrutura.