Gilvan de Pinho Tavares (foto:Divulgação)

Presidente negou que 'compra de juiz' tenha acontecido e lamentou declaração do dirigente (Foto:Divulgação)

RADAR/LANCE
17/01/2016
13:39
Belo Horizonte (MG)

O presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, concedeu entrevista coletiva nesta manhã de domingo e falou sobre o assunto que tomou conta da semana na Toca da Raposa. A declaração do supervisor de futebol, Benecy Queiroz (já afastado) foi o principal tema tratado. Gilvan lamentou a declaração considerada infeliz pelo dirigente, mas negou que o caso tenha acontecido.

- Demoramos um pouco para fazer uma apuração detalhada dos fatos. Chegamos à conclusão que ele realmente criou uma história, misturando personagens, coisas que nunca aconteceram no Cruzeiro – disse.

- A não ser o caso do Edílson Pereira de Carvalho, não conheço compra de arbitragem no futebol. Mas o Benecy não poderia ter falado o que falou, nem de mentira, nem de brincadeira - completou.

Em nota oficial, o Cruzeiro informou que Benecy foi afastado por problemas de saúde. Em seu pronunciamento à imprensa, o dirigente afirmou que estava com a pressão alta, e que deveria desacelerar seus trabalhos. O presidente Gilvan foi questionado sobre o assunto, e exaltou os mais de 45 anos de trabalho do colega no clube, mas não garantiu quando e se Benecy irá retornar às atividades.

- Não posso dizer que o Benecy não vai mais trabalhar no Cruzeiro, não podemos tomar decisões precipitadas. Ele foi à minha casa na semana passada e está arrasado. Pediu mil desculpas. Estamos decidindo – disse.