Gilmar Rinaldi

(FOTO: Rafael Ribeiro / CBF)

RADAR/LANCE!
14/03/2016
14:11
São Paulo (SP)

O coordenador de seleções da CBF, Gilmar Rinaldi esteve nesta segunda-feira em evento da Abex (Associação Brasileira dos Executivos de Futebol). Ele foi enfático em criticar a estrutura que encontrou na CBF desde que assumiu o cargo, após a realização da Copa do Mundo de 2014.

- Não estamos na safra ruim. A gente é que não está enxergando. Estamos agora com sete olheiros e isso é muito pouco para o Brasil. Notei que as convocações da base eram sempre muito repetidas. Não era possível. O Brasil é gigante e tem jogador bom para caramba", destacou. "Temos agora olheiro até para goleiro - afirmou ao "UOL".

Gilmar apontou também outras falhas nas organizações de dados sobre os jogadores. Ele utilizou o exemplo de Neymar para explicar o quão problemática era esse sistema.

- Antigamente, o funcionário saia e levava com ele tudo. O sistema que tinha na CBF não permite que hoje eu tenha dados de antigamente de lesão, evolução e tudo mais do Neymar com 17 anos, por exemplo. Hoje temos isso - explicou.


Gilmar garantiu também que pretende deixar o atual cargo após o ciclo que visa a participação brasileira na Copa de 2018. Ele espera entregar a "casa" melhor arrumada para o seu sucessor:

- Eu não me preparei. O mundo me preparou. E no futuro vai estar um de vocês (executivos da entidade) aqui. Vou trabalhar até 2018 (após a Copa do Mundo da Rússia) e depois vou retomar alguns projetos com a minha família.