Matheus Dantas
15/11/2016
18:56
Rio de Janeiro (RJ)

Segue o drama do Fluminense no Campeonato Brasileiro. Nesta terça-feira, o Tricolor não fez valer a vantagem de atuar no Maracanã e empatou com o Atlético-PR em 1 a 1. O time outra vez largou na frente, com Cícero, mas não soube administrar o placar e deixou o campo com o sentimento de derrota. Afinal, já são sete rodadas sem vencer - quatro derrotas e três empates - e Gustavo Scarpa perdeu um pênalti aos 46 minutos do segundo tempo.

Hernani, de pênalti, foi o autor do gol do Furacão, mas o herói foi Santos, que fez um milagre em cabeçada de Douglas e defendeu a cobrança de Scarpa.

O resultado complica muito a briga do Flu pela vaga na Libertadores do ano que vem. Com 49 pontos, o time de Marcão segue a três pontos de distância do rival paranaense, com 52 na sexta posição. Com o complemento da 35ª rodada, os clubes podem perder posições. No próximo domingo, o Tricolor visita a Ponte Preta, já o time de Paulo Autuori encara o Sport em Curitiba.

O JOGO

Marcão fez mistério na preparação para o jogo e surpreendeu na escalação, optando por Cícero como homem de referência no ataque, e um trio de volantes: Pierre, Edson e Marquinho. O esquema não deu certo de cara, com o Fluminense tendo muitas dificuldades na criação de jogadas. O Atlético forçou Gum, Pierre e Wellington Silva a saírem com a bola, e o time de Paulo Autuori era melhor, arriscando alguns chutes perigosos à meta de Júlio César.


Assim, as ações do Fluminense se resumiam aos lances individuais de Scarpa e Wellington, que não estava em seus melhores dias. Como em muitas outras oportunidades em 2016, a dupla Scarpa-Cícero funcionou. O camisa 10 encontrou o versátil jogador na área e a cabeçada foi fatal: 1 a 0. A aposta de Marcão mostrou-se acertada, e Cícero chegou a nove gols no Brasileirão.

Nos minutos finais da primeira etapa, o Atlético voltou a arriscar de fora da área, mas as finalizações de Hernani e Lucho González não tiveram a direção certa, e o Tricolor foi para o intervalo com a vantagem mínima.

Foram nos primeiros minutos do segundo tempo que o Fluminense teve mais tranquilidade para trocar passes, mas o time acabou castigado por mais um erro individual, dessa vez de William Matheus, que cometeu pênalti em Lucas Fernandes. Hernani cobrou com categoria e Júlio César, que havia feito um milagre instantes antes, não teve o que fazer: tudo igual no Maracanã.

O ambiente no estádio ficou tenso, e o jogo cada vez mais aberto. O Tricolor se jogou ao ataque com as entradas de Richarlison e Osvaldo, e o Furacão voltou a encontrar muito espaço no meio-campo. Enquanto isso, Wellington Silva e William Matheus foram insistentemente vaiados pelos torcedores. Chances de gol, só foram duas. Scarpa cobrou falta da entrada área por cima da meta de Santos, e Douglas cabeceou de dentro da área, mas Santos fez ótima defesa.

O sofrimento maior estava reservado para os minutos finais. Richarlison caiu dentro da área e o árbitro Luiz Flávio de Oliveira deu pênalti de Paulo André. Camisa 10, Scarpa bateu no meio do gol e Santos defendeu com o pé. Fim do jogo, vais e gritos de "Time sem vergonha" para a equipe do técnico Marcão.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 1X1 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data-hora: 15/11/2016, às 17h
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (Fifa/SP)
Auxiliares: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP) e Herman Brumel Vani (SP)
Renda/Público: R$ 655.290,00 / 39.877pagantes (43.692 presentes) 

Cartões amarelos: Wellington Silva, Wellington e Pierre (FLU); Paulo André, Nicolas e Otávio (CAP)
Cartão vermelho: Não houve.

GOLS: Cícero (1-0, 28'/1ºT), Hernani (1-1, 16'/2ºT)

FLUMINENSE: Júlio César; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre, Edson (Osvaldo, 25'/2ºT), Cícero (Douglas, 35'/2ºT), Marquinho (Richarlison, 17'/2ºT) e Scarpa; Wellington - Técnico: Marcão

ATLÉTICO-PR: Santos; Léo (Galhardo, Intervalo), Paulo André, Thiago Heleno e Nicolas; Otávio e Hernani; Lucho (Nikão, 24'/2ºT), Pablo e Lucas Fernandes (Marcos Guilherme, 26'/2ºT); André Lima - Técnico: Paulo Autuori