Vila Nova-GO x Londrina

Zotte (vermelho) sobe para disputar a bola. meia do Vila fez um golaço   (Foto: Carlos Costa/Lancepress!/AFP)

RADAR/LANCE
21/11/2015
21:44
Goiânia (GO)


O Vila Nova-GO deu a volta por cima. Neste sábado à noite, num Serra Dourada quase lotado, com 49.914 pagantes, o Tigre goiano goleou o Londrina por 4 a 1, de virada, e sagrou-se campeão da Série C do Brasileiro pela segunda vez na sua história, repetindo o que alcançou em 1996. Apesar do placar, a conquista foi dramática. Depois de derrotado no Paraná por 1 a 0, o Vila Nova levou o gol logo no início, o que obrigava o time a vencer por pelo menos 3 a 1 para ficar com o caneco. A tarefa era complicada, já que o Londrina estava há sete jogos sem levar gol. Só que o Vila virou ainda no primeiro tempo, gols de Ramires e Moisés, marcou o terceiro gol no início da etapa final (Zotte), mas apenas aos 48 minutos marcou o quarto gol, o do alívio, novamente com Moisés.

Apesar do vice-campeonato, o Londrina comemorou o acesso para a Série B. Além dos finalistas, Brasil-RS e Tupi-MG também subiram. O herói foi Moisés. O meia era dúvida e apenas teve a sua escalação confirmada minutos antes da partida. Acabou marcando dois gols.

O jogo começou a mil por hora e com três gols antes dos 12 minutos. O Londrina saiu na frente logo no primeiro ataque, aos quatro minutos. Após cobrança de falta pela esquerda, Rafael Gava levantou a bola e o atacante Bruno Batata apareceu sozinho na frente do goleiro Edson. O atacante teve de se abaixar para marcar de cabeça, ampliando a vantagem do Tubarão na decisão.

Só que o Vila Nova deu sorte. Apenas dois minutos depois, o lateral-esquerdo Marinho Donizete foi até o fundo e cruzou, a bola ficou sob medida para Robston, que deu uma furada incrível. Felizmente para o Tigre goiano, o erro do volante acabou deixando a bola sob medida para o chute forte de Ramiro, empatando a partida. Aos 11 minutos, a torcida foi ao delírio com a virada do time da casa. Numa ligação rápida Moisés, desmarcado, recebeu lançamento na entrada da área e aproveitou muito bem o erro de marcação dos paranaenses para matar no peito e mandar com categoria, sem chance para o goleiro Vítor.

O jogo ficou bem aberto com os times criando chances de gol. O Londrina chegou a fazer um gol numa cabeçada do zagueiro Sílvio. Mas o bandeirinha acertou ao marcar impedimento.

Precisando de mais um gol para chegar ao título, o Vila Nova adiantou a marcação no segundo tempo e, principalmente, tratou de finalizar sempre que tinha espaço. Logo aos dois minutos, o lateral-direito Marcelo arriscou chute de fora da área que passou raspando. Aos quatro, Robston chutou de longe e mais uma vez a bola passou muito perto do gol. Aos seis, Moisés chutou por cima. Aos sete, após um boa jogada pela esquerda, a zaga rechaçou uma bola que chegou no atacante Frontini, Zotte ficou com a sobra e acertou chute muito bonito que entrou á esquerda do gol de Vitor, ampliando o placar para 3 a 1 e, pela primeira vez colocando o Vila em vantagem na final.
Só a partir daí foi que o Londrina apareceu no aatque, num chute perigoso de Zé Rafael que o goleiro Edson defendeu em dois tempos. Isso fez o treinador Marcio Fernandes mudar a forma do time jogar, reforçando a defesa: tirou o lateral-direito Marcelo e entrou com Gustavo Bastos, um terceiro zagueiro. No desespero, o Londrina se lançou para a frente e lamentou a oportunidade mais clara que teve, quando, aos 31 minutos, Zé Rafael recebeu pela direita e chutou no travessão goiano.

Aos 39, Rhuan, lateral-direito do Londrina, se estranhou com Moisés e deu um chute de raspão quando o jogador do Vila caiu. Levou o cartão vermelho e deixou o LEC com dez.  O time paranaense perdeu a cabeça de vez nos minutos finais e viu o atacante Patrick, levar vermelho por reclamação.

A partir dos 45 minutos (o árbitro deu sete minutos de acréscimos) a torcida do Vila Nova começou a festejar o título. A pá de cal veio aos 48 minutos. Num escanteio para o Londrina, o goleiro Vitor foi para o ataque tentar fazer o gol que daria o título aos paranaenses. Mas após o chuveirinho a bola ficou com o Vila. Moisés disparou para, próximo da área, tocar rasteiro. A zaga tentou tirar, mas não deu. Era  o quarto gol.  Na saída de bola, o atacante Bruno Batata reclamou com a arbitragem e acabou sendo o terceiro jogador do Londrina expulso.   O jogo acabou em seguida e a festa da torcida começou.

- Há 19 anos que o  Vila não ganhava um título nacional. Esta torcida merecia esta alegria - disse o zagueiro Gustavo Bastos.

FICHA TÉCNICA

VILA NOVA 4X1 LONDRINA
final da da Série C do Brasileiro - jogo de volta


Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data-hora: 22/11/2015 – às 19h30
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)
Assistentes: Carlos Nogueira e Anderson Coelho (SP)
Cartões amarelos: Zotte, Moisés, Edson (VIL), Luizão, Diogo Roque, Bruno Batata, Patrick, Paulinho (LON)
Cartão Vermelho: Rhuan, Patrick e Bruno Batata  (LON)
Renda e Público: R$ 234.500,00/39.000 pagantes (40.914 presentes)
GOLS: Bruno Batata, 4'/1ºT (0-1), Ramires, 6'/1ºT (1-1), Moisés, 11'/1°T (2-1), Zotte, 7'/2ºT (3-1), Moisés, 48'/2ºT (4-1) 

VILA NOVA: Edson; Marcelo (Gustavo Bastos, 13'/2ºT), Vinícius, Vitor e Marinho Donizete; Francesco, Robston (Baiano, 37'/2ºT), Ramirez e Zotte (Paulo Vitor, 25'/2ºT); Frontini e Moisés. Técnico: Márcio Fernandes

LONDRINA: Vitor, Rhuan, Sílvio, Luizão e Paulinho; Diogo Roque, Germano, Rafael Gava ( Magno, 32'/2ºT) e Zé Rafael; Bruno Batata e Quirino (Patrick, 13'/2ºT) Técnico: Claudio Tencati