Bussunda

Bussunda comemorou muito o penta (Foto: Divulgação/ Acervo Casseta & Planeta)

LANCE!
17/06/2016
07:45
Rio de Janeiro (RJ)

Diário LANCE!, 01/07/2002

Do jeito que está, não seremos hexa
Bussunda


O penta é de todos nós. É tanto do Rivaldo, quanto do Lúcio, tanto do Lula, quanto do Serra, tanto do Felipão, quanto dos seus críticos.

Afinal, todas as vezes que a equipe saiu do Brasil desacreditada acabamos campeões, vamos manter essa superstição que dá certo desde 1970, pelo menos. É por isso que já acho que jogando desse jeito vai ser muito difícil conseguirmos o hexacampeonato na Alemanha.

Mas sinceramente, mais do que todos nós, mais do que o brilhante Ronaldinho Gaúcho, do genial Rivaldo, do absoluto Marcos, do perfeito Gilberto Silva, mais do que todo mundo, esse penta é do Ronaldo, que mostrou que não é Fenômeno à toa. A história de Ronaldo se virasse novela teria muitas críticas por causa do final fantasioso. Diriam que a vida real não é assim. Tá bom.

O drama começou há exatos quatro anos, naquela maldita convulsão. Responsabilizado pela derrota naquela fatídica final contra a França de Zidane, a coisa ainda ia piorar quando ele teve que operar o joelho. Depois de muita luta para se recuperar o mundo inteiro acompanhou o pior momento em close, a tal patela quase saltando para fora da perna. Depois veio a desconfiança geral, muita gente afirmava que a recuperação era impossível. Esse mesmo sujeito fazer dois gols na final da Copa não é pouca coisa!

É uma história para a humanidade inteira jamais esquecer. É o maior artista, da arte mais popular da nossa galáxia, vivendo uma das histórias mais dramáticas que um artista já viveu. Todos os brasileiros, mesmo aqueles que não gostam de futebol, devem agradecer muito a esse rapaz. Desde esse domingo maravilhoso nós valemos mais para o mundo. Nos somos conterrâneos desse Ronaldo e não há quem não nos abra um sorriso por isso.

Felipão está de parabéns por ter apostado em Ronaldo. Os médicos que o recuperaram, mais ainda. Mas a luta dele, sua simpatia, seu sorriso aberto, seus gols na final, seu gol de bico, seu cabelo esquisito, sua chuteira prateada, tudo isso o transforma no grande super-herói desse século!

Serei eternamente agradecido a todos que participaram dessa conquista. Mas Ronaldo é Deus. Está no mesmo patamar de Pelé, Garrincha, Didi, Gérson, Rivelino, Zico e Romário. Para mim, a taça do mundo também tem aquele cabelo esquisito.