Campeonato Carioca - Vasco x Botafogo (foto:Paulo Sergio/LANCE!Press)

Ribamar, do Botafogo, e Rodrigo, do Vasco, voltarão a se enfrentar neste domingo (foto:Paulo Sergio/LANCE!Press)

David Nascimento e Felippe Rocha
07/05/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Entra ano, sai ano e as rivalidades entre jogadores surgem. Neste Campeonato Carioca, os embates entre o zagueiro Rodrigo e o jovem atacante Ribamar simbolizaram e, mais ainda nesta final, simbolizam a última batalha entre a juventude do Botafogo e a experiência do Vasco.

Nos três confrontos até agora em 2016, foram duas vitórias cruz-maltinas e um empate. Para conquistar o título neste domingo, o Glorioso precisa vencer o rival por no mínimo dois gols de diferença na segunda partida da final do Estadual. Triunfo pela diferença mínima leva a decisão para os pênaltis. Qualquer outro resultado no Maracanã, dá Vasco.

– Acho que nós temos uma pequena desvantagem. Se estivéssemos perdendo na parte física... Mas não é verdade. Você viu o Jorge Henrique fazendo o que fez: fez o gol e voltou para marcar o Luis Ricardo. Numa decisão, não é necessariamente um lance de experiência e juventude. São os detalhes – entende Jorginho, técnico do time de São Januário.

Do lado botafoguense, a pouca idade de muitos jogadores do elenco e, principalmente, dos centroavantes, já preocupava desde antes do início do Carioca. Além do já citado Ribamar, de 18 anos, Luis Henrique, há dois meses nem podia tirar carteira de motorista.

A promessa tinha 17 anos. Todo o time está devendo no que diz respeito às finalizações no gol. Pela pouca idade e pela pressão do momento é que o técnico Ricardo Gomes analisa como normal uma certa afobação do setor ofensivo do time.

– São jovens e isso vai acontecer. Espero o resultado domingo. Tem jogador de 18 anos disputando uma final. Aconteceu comigo, mas eu era zagueiro, é diferente. Estamos trabalhando para que isso seja minimizado – garante Ricardo.

Jefferson é o mais velho do elenco botafoguense, com 33 anos. Os experientes vascaínos vão querer incomodá-lo, no segundo jogo e ele, certamente, quer se redimir do erro do último jogo. Mais que o sucesso lá atrás, ele espera que a juventude da parte ofensiva tenha êxito.

– A gente já vem falando há um tempo sobre aproveitar as oportunidades. Temos que aproveitar as poucas chances que tivermos – analisa o goleiro.