Heber

Heber Roberto Lopes, árbitro brasileiro (Foto: Miguel Schincariol/Lancepress!)

RADAR/LANCE!
15/07/2016
15:54
Rio de Janeiro (RJ)

A Comissão de Arbitragem da CBF enviou aos árbitros brasileiros um pacote de orientações. O conjunto serve para reforçar a aplicação da regra e melhorar a qualidade do jogo para o público. As dicas passam a valer já a partir da próxima rodada.

O comunicado no site oficial da entidade ainda diz que os árbitros têm assimilado bem as orientações, assim como os jogadores, e o tempo médio de bola rolando nos jogos do Brasileirão apresenta um aumento gradativo: 52’27 em 2014, 54’05 no ano passado e 55’40 este ano.

– Nossa meta é ajudar a melhorar o jogo para todos, dentro e fora de campo. É importante terminar com alguns mitos que acabam sendo criados e absorvidos pela opinião pública. Não existe essa lenda de que a CBF orienta para não marcar falta. Se há 20, 50, 100 ou 200 faltas num jogo, todas devem ser marcadas. Outro ponto importante é a questão da conversa. Claro que jogador pode falar com o árbitro. Não pode é extrapolar – explicou o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa.

Confira as orientações enviadas pela CBF aos árbitros:

NÃO SE DEVE ACEITAR, EM HIPÓTESE ALGUMA:


1 – Rodinhas de jogadores reclamando.
2 – Dedo em riste.
3 – Gritaria no ouvido.
4 – Jogador pedindo cartão para o adversário.
5 – Simulação.
6 – Treinador gesticulando para jogar a torcida contra a arbitragem.
7 – Reclamações flagrantes contra o árbitro assistente.
8 – Integrante do jogo “mandando” o árbitro consultar o assistente.

ATENÇÃO PARA:

1 – Bola no local correto para a cobrança do escanteio (tiro de canto).
2 – Laterais cobrados muitos metros à frente do local em que a bola saiu.
3 – Goleiros demorando mais do que 6 segundos para recolocar a bola em jogo.
4 – Agarra-agarra na área.
5 – Na arquibancada, apenas faixas que incitem a violência não são permitidas.