RADAR/LANCE!
30/06/2016
20:51
Rio de Janeiro(RJ)

Nesta quinta-feira, o Tecla FC, de El Salvador, anunciou a contratação do experiente atacante uruguaio Loco Abreu.  Ás vésperas de completar 40 anos(em outubro), o uruguaio ruma para o 22° clube diferente, o que o credencia como um 'cigano' do futebol. Em  seu currículo,  grandes  clubes:  River Plate, San Lorenzo, Rosário Central, Tigres-MEX, Monterrey, Defensor, La Coruña e Nacional.

No Brasil, defendeu o Botafogo, Figueirense e Grêmio, além, é claro, da seleção uruguaia, onde somou 26 gols, o que o coloca como sétimo maior goleador da história celeste.

Junto com o Lance! , relembre agora outros 'ciganos' da bola.  

Túlio Maravilha:

Este talvez seja o maior cigano. O atacante, sempre folclórico, ganhou ainda mais notoriedade em 2014, quando segundo suas contas, marcou o milésimo gol, pelo Araxá, de Minas Gerais. Naquela altura do campeonato, Túlio tinha 44 anos e mais de 30 clubes em seu percurso. Ele se aposentou logo em seguida á realização do feito. 


Túlio Maravilha é ídolo no Botafogo, onde foi campeão brasileiro em 1995. Ele também acumula passagens pela Seleção Brasileira, além de deter o recorde de artilharia em edições diferentes do Brasileirão. Ao todo, foram três( 89, pelo Goiás e em 94 e 95 pelo Botafogo). 

Cláudio Adão:

Assim como Túlio, Cláudio Adão também foi um atacante cuja carreira ficou marcada pelo alto número de gols: 590. Durante os quase 25 anos de carreira(jogou até os 41), o pai do atacante Felipe Adão, hoje no Serrano, da Bahia, e da jogadora de Vôlei Camila Adão, defendeu 27 clubes. Os mais expressivos são Flamengo, Vasco, Botafogo, Corinthians, Benfica e PSG. Foi tricampeão brasileiro. Pelo rubro-negro carioca, ganhou em 80 e 83. Com a camisa do Corinthians, venceu o Brasileirão de 90. 

Paulo Baier:

Entre todos os presentes em nossa galeria, é o que deixou os gramados há menos tempo. Mais especificamente, no início deste mês. Curiosamente, começou e terminou a carreira no mesmo clube: São Luiz-RS. Ele colocou um ponto final em sua carreira após 21 anos de carreira e 41 de vida. É o segundo maior artilheiro da era pontos corridos, com 106 gols. Quase a metade deles, 50, feitos com a camisa do Goiás. Fred, do Fluminense, com 116 gols, é o maior artilheiro dos pontos corridos. 

Em 2013, conduziu o Atlético-PR a uma de suas melhores temporadas na história. Os paranaenses terminaram no G4 do Campeonato Brasileiro e foram vice campeões da Copa do Brasil, perdendo a final para o Flamengo. Também jogou por Criciúma, Vasco, Palmeiras, Sport, Juventude, Santos, América-MG e Atlético-MG.  

Tuta: 

Ex-atacante de Fluminense, Grêmio, Flamengo e Palmeiras, Moacir Bastos tem 42 anos e ainda pode ser visto atuando profissionalmente. Hoje, ele defende o Flamengo-PI e já passou por mais de 20 equipes. 

Há quatro anos, o atacante foi preso por falta de pagamento de pensão equivalente ao valor de R$85mil. Porém, ficou preso poucos dias. Em 1999, marcou um gol polêmico. Ele defendia o Venezia, da Itália, e no último lance do jogo marcou o gol que desempatou a partida com o Bari. Nenhum companheiro do seu time comemorou o gol, trazendo desconfianças de que o jogo estaria armado. 

Amaral: 

O volante é um dos jogadores mais carismáticos e rodados do futebol brasileiro.  Alexandre da Silva Mariano vestiu 21 uniformes diferentes ao longo dos 24 anos dentro das quatro linhas. Em 2014, anunciou a aposentadoria, mas no ano seguinte reviu a decisão e foi jogar no Capivariano, de São Paulo, mas ficou pouco tempo voltando para a vida de aposentado. Certa vez, Amaral admitiu que já trabalhou em cemitério. Tal revelação rendeu o apelido de "coveiro". 

Ele foi tetracampeão brasileiro (93/94 pelo Palmeiras, 98 pelo Corinthians e 2000 pelo Vasco),  campeão da Mercosul de 2000 com o Vasco e do Campeonato Turco pelo Besiktas em 2003. Também defendeu a Seleção Brasileira.   

Aloísio Chulapa: 

Com 41 anos e mais de 20 clubes no vasto currículo, Aloísio "Chulapa" ou Aloísio "Danone", como também é conhecido, ainda joga profissionalmente. Hoje, ele defende o Sete de Dourados, do Mato Grosso do Sul,  e disputa a Série D do Campeonato Brasileiro.  

O veterano está no futebol profissional há 22 anos, quando começou no CRB. O auge da sua carreira foi entre 2005 e 2008, quando foi Campeão Mundial e Tricampeão brasileiro pelo São Paulo. No ano seguinte, conquistou a Série B com o Vasco​. 

Finazzi: 

Este é o último sobrenome de Alexandre Silveira, do ex-atacante de 42 anos. Jogou de 1996 a 2014, sendo que seu último e 35° clube foi o Itapirense,  de São Paulo.  

Em 2007, esteve no elenco do Corinthians que acabou rebaixado para a Série B. Contrariando o resto do elenco, Finazzi teve boas atuações naquela edição do Campeonato Brasileiro: fez 12 gols e foi um dos poupados pela torcida. Também jogou pelo Atlético-PR, São Paulo, Fortaleza, São Caetano, Ponte Preta e Goiás. Na Europa, atuou no Sochaux-FRA.