Matheus Dantas, Felippe Rocha e Vinícius Perazzini
07/09/2016
08:47
Rio de Janeiro (RJ)

A Arena Botafogo será palco do duelo entre o dono da casa, que tenta se afastar mais da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, e o Fluminense, que busca o G4. Mais que isso, a Ilha do Governador vai promover o reencontro de dois amigos que vivem grande fase nos ataques de suas respectivas equipes: Sassá e Wellington. Das partidas no intervalo do colégio ao duelo neste Dia da Independência. Para o Clássico Vovô, válido pela 23ª rodada, a bola rola a partir das 16h desta quarta-feira.

- Estudamos juntos, desejo sorte para ele. Nós éramos menores, brincávamos bastante mas, como saí do país, acabei perdendo o contato. Não gosto de aposta, mas vai ser legal, um jogo bastante disputado. Depois, brincamos - explica Wellington, do Tricolor.

Foi em 2009. O colégio é o Percepção, em Irajá, na Zona Norte. Eles eram da mesma turma, na 7ª série do ensino fundamental, mas o botafoguense nasceu em janeiro de 1994, um ano depois do rival. Esta diferença, além da transferência do ex-colega de classe para o Arsenal, da Inglaterra, no ano seguinte, fizeram com que eles nunca tenham duelado. Nem nas categorias de base. Hoje será a primeira vez.

- Estudamos juntos, conheço ele há muito tempo. Mas não jogamos contra, ele foi embora muito cedo (17 anos) - lembra Sassá, que não perde a chance de sacanear o amigo.

O alvinegro Sassá nasceu no dia 11 de janeiro de 1994

Já o tricolor Wellington nasceu no dia 6 de janeiro de 1993

Quem tirava melhores notas?

– Eu, pô. Eu era mais inteligente – brinca o alvinegro, artilheiro do Brasileirão com 10 gols, ao lado de Gabriel Jesus e Robinho.

– Ele é um ano mais novo e eu sempre joguei nas categorias acima da minha, então não pude enfrentá-lo. Vai ser especial, ele está numa fase incrível, fazendo gol em quase todos jogos. Fico feliz por ele, mas espero que não faça contra nós. Vai ser um jogo legal e vou fazer o melhor para sair com a vitória. Agora, nos intervalos que a briga era boa. Cada vez alguém levava a melhor – se recorda Wellington.

Veremos o tira-teima logo mais na Arena do Botafogo, na Ilha do Governador.