Ana Canhedo e Gabriel Carneiro
05/11/2015
09:40
São Paulo (SP)

O Clássico da Saudade, disputado entre Palmeiras e Santos, completou cem anos de história em outubro. Nos dias 25 de novembro e 2 de dezembro, o histórico duelo terá um de seus capítulos mais gloriosos com as finais da Copa do Brasil. Enquanto o Verdão busca seu terceiro título do maior torneio nacional disputado em mata-mata, o Peixe vai atrás do bi. Além de todo este cenário imponente por si só, a disputa ainda servirá como tira-teima entre os dois maiores campeões nacionais da história do futebol brasileiro.

Somados, Palmeiras e Santos já ergueram 19 taças nacionais até aqui. O Verdão tem dez, incluindo duas edições da Taça Brasil, duas do Robertão, quatro do Brasileirão e mais duas da Copa do Brasil, entre elas a mais recente, conquistada em 2012. Já o Peixe somou nove até agora, com o penta da Taça Brasil, uma edição do Robertão, duas do Brasileirão e a Copa do Brasil de 2010, também sua última conquista nacional.

– São Paulo e Corinthians não eram muito bons, então aqui no Estado quem mandava eram sempre Santos e Palmeiras, os times que serviam de base para a Seleção – relembra Pepe, ídolo histórico do Santos e presente em seis das nove conquistas do Alvinegro lá nos anos 60.

Ademir da Guia, de cinco títulos nacionais pelo Palmeiras, concorda com o antigo adversário sobre a importância histórica deste confronto.

– Não lembro exatamente quanto, mas a gente sempre conseguiu equilibrar as forças – relembra.

Curiosamente, apesar de todo o equilíbrio, Palmeiras e Santos nunca chegaram a decidir um torneio nacional antes de 2015. O mais perto disso que chegaram foi em 1968, quando ambos avançaram ao quadrangular final do Robertão. No único jogo entre eles, vitória por 3 a 0 do Santos no estádio do Morumbi.

No dia 2 de dezembro de 2015 o Palmeiras pode disparar e "mostrar que de fato é campeão". Ou então o Santos igualar a contagem com seu "passado e presente só de glórias".


Taça Brasil - O clube venceu duas vezes: 1960 e 1967. Na primeira, o time de Djalma Santos e Julinho Botelho obteve três vitórias e um empate, com direito a um 8 a 2 na final, sobre o Fortaleza. Em 67, na primeira Academia, o time foi campeão em cima do Náutico.


Robertão - O Verdão também ganhou a Taça Roberto Gomes Pedrosa em 1967. Foram dez vitórias, oito empates e duas derrotas para a Academia, que bateu o Grêmio na final. Dois anos depois, a 2 Academia, já com Leão, levou a taça, ante o Botafogo de Zagallo.

Brasileirão - Foram quatro conquistas do atual campeonato nacional. As duas primeiras em 1972 e 1973, com Ademir da Guia e Dudu liderando o Verdão. Depois, já com a Parmalat, o Verdão ganhou o Brasileiro em 1993 sobre o Vitória e em 1994 sobre o Corinthians.

Copa do Brasil - As duas conquistas na Copa do Brasil foram com Felipão no comando. Primeiro, em 1998, sobre o Cruzeiro – no ano seguinte, o Alviverde levaria a Libertadores. Na volta de Scolari, o Palmeiras voltou a ganhar em 2012, então em cima do Coritiba.

Brasileirão de 73 - Palmeiras
Com Ademir da Guia, Verdão levou o Brasileirão de 73 (FOTO: Divulgação)


Com a palavra
Ademir da Guia, ex-jogador do Palmeiras


Contra o Santos, era complicado. A gente chegou a ganhar algumas vezes, mas eles tinham um grande ataque, não era só o Pelé que jogava naquele time, tinha Pepe, Edu, Coutinho, vários jogavam muita bola, era difícil, muito difícil. E além de tudo isso, aí sim, tinha um cara especial que era o Pelé, para completar. Mas se não fosse por nós, eles teriam ganhado dez ou onze paulistas seguidos, não lembro exatamente quanto, mas seria uma diferença muito grande, a gente conseguiu equilibrar um pouco essas forças. Tenho certeza de que o título mais especial de Brasileirão foi em 1972. Naquele ano, nós disputamos cinco campeonatos e ganhamos os cinco: Campeonato Paulista, Campeonato Brasileiro, Copa do Atlântico, Taça Laudo Natel, Taça dos Invictos, então jogamos esse cinco e vencemos tudo, foi muito marcante, foi com certeza o melhor ano da minha carreira. Me lembro bem.

TÍTULOS NACIONAIS DO SANTOS

Taça Brasil - Santos conquistou o torneio entre 1961 e 1965. O Rei Pelé foi o artilheiro em 61 e 64, e Coutinho em 62. Nas finais, o Peixe derrotou Bahia (61), Botafogo (62), Bahia (63), Flamengo (64) e Vasco (65). Pelos títulos, o time alcançou a Libertadores e o bi nesta competição (62/63).

Robertão - Torneio Roberto Gomes Pedrosa foi o “pai do Brasileirão”, e teve o Santos campeão em 1968. Time marcou 37 gols em 19 jogos e teve Toninho Guerreiro como artilheiro, com 17 gols. Na fase final, o Peixe superou Inter, Vasco e Palmeiras.

Brasileirão - Competição disputada desde 1971 teve o Santos campeão nas edições de 2002 e 2004, com Leão e Luxemburgo como técnicos. Na primeira, o Peixe bateu o Timão na final. Na outra, por pontos corridos, ficou na frente do Atlético-PR por três pontos.

Copa do Brasil - Único torneio nacional que faltava foi conquistado em 2010, com Dorival Júnior. Com Neymar artilheiro com 11 gols, Peixe derrotou o Vitória na final. Torneio teve goleadas como 8 a 1 e 10 a 0 e show da última geração dos Meninos da Vila do clube.

Santos - Taça Brasil de 63
Pepe (o primeiro da esquerda para a direita) no título da Taça Brasil de 1962 (FOTO: Divulgação)


Com a palavra
Pepe, ex-jogador do Santos


Não sei se contei essa história, mas ela é boa. Rio-São Paulo, que era o Campeonato Brasileiro na época, nós jogamos contra o Palmeiras em 1958, a expectativa era de cada um jogar melhor que o outro para ser convocado para a Copa do Mundo, estávamos perto. Esse jogo foi no Pacaembu e o que aconteceu foi uma partida maravilhosa para o Santos: 7 a 6. Na volta, o Santos não tinha ônibus, viajávamos em carros de praça. Desci na Praça dos Andradas em Santos por volta das 2h30 da manhã, entrei na fila para pegar o último ônibus que me levaria a São Vicente. Você vê as diferenças para hoje em dia. Então tinha um bêbado do meu lado e me reconheceu. Me perguntou se eu era o Pepe, perguntou do jogo e eu falei o placar. Ele falou: “Pepe, está brincando? Estou falando sério”. Achou que eu estava brincando. Foi a partida mais emocionante que joguei na carreira, sem sombra de dúvidas.

*O Palmeiras conquistou a Copa dos Campeões de 2000. O LANCE!, no entanto, adotou o critério listando as mais tradicionais competições disputadas: Taça Brasil, Robertão, Copa do Brasil e Brasileirão.