Paulo Schmitt é procurador-geral do STJD desde 2006 (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

Paulo Schmitt é procurador-geral do STJD desde 2006 (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

LANCE!
31/03/2016
16:41
Rio de Janeiro (RJ)

Onze dos principais clubes do futebol brasileiro decidiram assinar um documento através do qual vão pedir à CBF o afastamento o procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt.

Como divulgado inicialmente pela ESPN, Santos, Grêmio, Atlético-MG, Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Cruzeiro, Internacional, Vasco, Fluminense e Flamengo não signatários da carta que pretendem enviar ao presidente da CBF, o Coronel Nunes, e ao presidente do STJD, Caio Rocha.

O tom da carta é bem político, já que os clubes não batem de cara na tecla a respeito da relação íntima entre os interesses da CBF e da procuradoria, como exemplificado em e-mails obtidos pela CPI do Futebol. A argumentação inicia citando a necessidade de alternância de poder, já que Paulo Schmitt está no cargo há 10 anos.

Mas os dirigentes não ignoram o vazamento das mensagens entre Schmitt e a CBF, lembrando ainda o caso em que o procurador-geral recebeu ingressos da Copa do Mundo.

Como os clubes veem que isso tudo "coloca em xeque a imparcialidade e isenção devidas no exercício da função", pedem que a o procurador-geral deixe o cargo "até que sejam apurados os fatos a ele imputados". Além disso, solicitam à CBF que não indique mais Schmitt na próxima eleição para procurador, que vai acontecer no meio do ano.

Os dirigentes encerram pedindo que "Schmitt se abstenha de ocupar qualquer outro cargo no âmbito do sistema desportivo brasileiro".

O procurador-geral do STJD foi procurado pelo LANCE!. Ele, que passou a ser alvo de um processo disciplinar na Corregedoria do STJD, afirmou que pretende completar o mandato até julho.